A nadadora olímpica aposentada, Martha McCabe, saiu do armário como lésbica. Em entrevista a CBC, ela afirmou que tomou a decisão para servir de exemplo a outros atletas, além de trazer visibilidade a comunidade lésbica.

Martha – que foi medalhista canadense dos Jogos Pan-americanos, se especializou em nado-peito de 200 metros e ficou em quinto lugar nas Olimpíadas de Londres 2012 – revelou que apenas depois de parar de competir passou a explorar sua sexualidade, destacando também que se tivesse conhecido mais atletas LGBTs talvez tivesse entendido sua orientação sexual mais cedo.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Acho que porque não vi isso nas pessoas que admirava, o pensamento nunca passou pela minha cabeça. Não questionei as normas que a sociedade havia construído ao meu redor porque nem percebi que havia algo a ser questionado”, relatou.

VEJA TAMBÉM:  Nadador olímpico sai do armário e reflete sobre a importância disso até pelo esporte

Martha destacou que alguns esportistas começaram a sair do armário, mas eles nunca eram mulheres. “Acho que, como realmente são poucas esportistas lésbicas assumidas e defensoras das mulheres LGBTQ+, tornou mais desafiador perceber essas coisas a meu respeito”, afirmou.

A nadadora afirmou que durante os oito anos na equipe esportiva nacional do Canadá, conheceu pelo menos dez colegas LGBT+, mas nenhum falava sobre isso abertamente.

“Quero ser um exemplo para jovens nadadoras e ajudar aqueles que estão lutando contra isso, para que possam ver que é normal. Os pais também devem normalizar o processo. As crianças não veem isso em todos os lugares e, quando você não vê, acaba se tornando um  obstáculo para superar”, observou.

VEJA TAMBÉM:  Emocionado, apresentador sai do armário ao vivo durante programa; assista

Martha acrescentou que: “Os jovens precisam ser capazes de se ver nas pessoas que admiram. Precisamos de vozes minoritárias de diferentes raças, sexualidades e identidades de gênero. Pessoas ousadas o suficiente para falar, compartilhar e ser elas mesmas publicamente, para que as gerações mais jovens possam ver que não estão sozinhas e que você pode ter sucesso sendo diferente.”