Ainda estamos apenas na metade do ano de 2018, mas já se registrou mais denúncias de agressões por homofobia na cidade do Rio de Janeiro até agora neste ano, do que em todo ano passado de 2017. Os dados foram divulgados pela Coordenadoria Especial de Diversidade da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Pra se ter ideia, só nos três primeiros meses deste ano foram 30 denúncias recebidas, contra 27 que ocorreram durante 2017. Dentre a sigla LGBT, as queixas atingem em cheio a população transexual, seguida da população gay.

Mas é fato que, principalmente entre transexuais, os casos são em maioria de grande gravidade, como aconteceu com Viviane Rodrigues Pereira, de 38 anos, vítima de agressão que teve a clavícula quebrada, também o caso de Alessandra da Silva Alves, de 50 anos, morta baleada na rua, ou ainda, a mulher trans Nayara Montenegro, que já está fora de perigo, mas foi atingida por disparos no abdómen e coxa.

Enquanto isso, a preocupação em relação aos direitos LGBT do prefeito do Rio de Janeiro, Crivella, continua sendo proibir peça que tem atriz travesti no papel de Jesus, censurando a arte e chamando isso de ofensa (desde quanto travesti é ofensa?).

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).