David Bridle, editor da famosa revista gay Boyz, voltou atrás na noite de quinta-feira (26 de novembro), dizendo que promover a Aliança LGB foi um “erro” e prometeu se retratar com o Mermaids, instituição de apoio às pessoas trans.

Em um comunicado postado na conta do Twitter da publicação britânica – Bridle parece ter excluído sua conta pessoal – ele se desculpou por promover um grupo anti-trans Aliança LGB.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O post de desculpas trazendo uma fotografia de um buquê de flores tinha a seguinte declaração: “Em nome da revista Boyz, desejo pedir desculpas a todos os nossos leitores, locais e anunciantes pela publicidade que demos à Aliança LGB”.

“Reconhecemos que muitos de nossos leitores e apoiadores podem ter ficado profundamente chateados com a nossa promoção do webinar da LGB Alliance esta noite. Acreditamos sinceramente que estávamos tentando ajudar a curar um cisma na comunidade. Isso foi um erro e pedimos desculpas. A LGB Alliance não tem o nosso apoio.”

VEJA TAMBÉM:  Garoto gay de 15 anos se suicida após constante bullying homofóbico na escola

O editor da revista gay continua: “Faremos o possível para compensar o dano ao nosso relacionamento com a comunidade LGBT e especialmente a comunidade trans. Nós entendemos errado. Por favor, nos perdoe”.

O grupo de poio às causas trans Mer procuraram ampliar a reviravolta, dizendo: “As pessoas têm cobrado da Boyz para repensar sua recente posição em relação a um grupo de campanha anti-trans. Eles ouviram e pediram desculpas. Estamos ansiosos para amplificar vozes trans com eles”.

Revista gay ampliou seus problemas

A saga começou depois que Boyz e Bridle compartilharam vários tweets da LGB Alliance em novembro – todos os retuítes na conta Boyz foram removidos, bem como as respostas anteriores à reação.

Depois de deletar os retuítes, a revista gay Boyz compartilhou apelos de líderes do Terrence Higgins Trust, uma importante instituição de caridade de saúde sexual LGBT+, que pediu que ela “repensasse” seus laços com os lobistas.

VEJA TAMBÉM:  Restaurante de Campos do Jordão é condenado por homofobia

Os usuários questionaram por que uma publicação LGBT+ estava promovendo um grupo cujos fundadores defenderam trabalhar com a Fundação Heritage anti-LGBT+ e anti-aborto, além de se recusar a denunciar seus apoiadores neonazistas e homofóbicos.

Bridle, em declarações enviadas à PinkNews e postadas no Boyz e em suas próprias contas no Twitter, pediu aos usuários que sintonizassem um seminário online que a organização estava realizando naquela noite, intitulado: “The Gay Spot – gays estão se perdendo no debate de gênero?”. Enfim, pegou mal!