Na última terça-feira, o governo britânico anunciou um plano de ações para diminuir o preconceito em relação a diversidade. A iniciativa inclui uma lei que proíbe as torturas popularmente conhecidas como “cura-gay”, pseudo tratamentos que prometem “curar homossexualidade”, quase sempre sem qualquer efeito prático senão mais neurose na cabeça do paciente. A partir de agora passa a ser crime a sugestão de qualquer hipótese do tipo.

A prioridade do tema foi estabelecida após o governo pesquisar entre mais de 100 mil LGBTs e constatar um alto número de jovens que já tentou ou foi obrigado pela família a realizar a tal “cura”, e claro, acabou se torturando e se frustrando pois não conseguiu nada senão sofrimento, que dirá reverter a sexualidade.

Dos pesquisados, 2% admitiram já ter recorrido a cura-gay enquanto 5% contou já ter recebido ofertas.

Outro dado curioso foi que mais da metade dos jovens que tentaram fazer o tratamento afirmaram que a iniciativa vinha de entidades religiosas, 19% profissionais de saúde e 16% pelos pais ou membros de suas famílias.

Mais de 2/3 confessou evitar andar de mãos dadas nas ruas com namorado our temer violência. 23% disse que seus colegas de trabalho reagiram negativamente ao saberem da homossexualidade.


Assista também:


Cerca de 40% das pessoas disseram ter vivenciado incidentes como ataques verbais ou violência física nos 12 meses anteriores à pesquisa. Entretanto, mais de 90% desses casos não são registrados, com os entrevistados afirmando que esses tipos de agressões “ocorrem o tempo todo”.

(continua abaixo)


Veja também:


Dos entrevistados, 61% se definiram como gays ou lésbicas, um quarto, como bissexuais, e 4% se disseram pansexuais.

Curiosamente, principalmente entre os mais jovens, um grande número se identificou como bissexuais, assexuais, pansexuais, entre outras definições, e 13% se disseram transgêneros. Outros 7% afirmaram ser “não binários”, ou seja, pessoas de gênero não exclusivamente feminino ou masculino.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).