Até vinte anos de prisão em regime fechado – com alguns anos de variação para mais ou para menos a cada um dos condenados de acordo com sua participação nos crimes – foi a sentença dada um grupo criminoso acusado de usar o aplicativo de encontros gays, Grindr, para atrair as vítimas e praticar agressões homofóbicas.

Anthony Shelton, 20; Nigel Garret, 21; Chancler Encalade, 20 e Camerin Ajuduah, 19 – foram considerados culpados por integrarem a quadrilha que vinha praticando os crimes com vítimas homossexuais no Estado do Texas nos Estados Unidos.

De posse do endereço das vítimas que confiavam nos criminosos se passando por amantes sedutores, os rapazes iam até a casa do boy. Quando chegavam, roubavam, agrediam e humilhavam o suposto pretendente verbal e fisicamente com ofensas homofóbicas.

O assistente do Departamento da Divisão de Direitos Civis, John Gore, um dos integrantes do juri que julgou o caso, afirmou à imprensa: “A Justiça não pode tolerar qualquer tipo de crime baseado em ódio e preconceito, seja por orientação sexual, identidade de gênero, raça, cor, religião ou etnia. Todos estes tipos de crime devem ser investigados e punidos.”

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).