O Eton College decidiu demitir um professor transfóbico que escreveu uma palestra sexista e anti-trans, alegando que a agressão e a masculinidade tóxica são uma “realidade biológica” para os homens.

Em novembro, o professor de inglês do Eton College, Will Knowland, foi demitido por se recusar “persistentemente” a remover um vídeo do YouTube de uma palestra sexista e anti-trans que ele havia escrito intitulada “The Patriarchy Paradox”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Nele Knowland afirmava que o patriarcado “resulta em parte das escolhas das mulheres porque as beneficia” e que “dizer esmague o patriarcado equivale a dizer esmague a natureza humana e a realidade biológica”.

O professor transfóbico insistiu que as mulheres não deveriam ter permissão para lutar em guerras e alegou que as mulheres não são capazes de “mineração, extração de petróleo, indústria pesada e química, transporte de longa distância, a maioria das formas de construção, muitos tipos de agricultura, como silvicultura e pastoreio de grandes animais domésticos e pesca em alto mar”.

VEJA TAMBÉM:  Escritora recorre ao STF após perder processo por transfobia contra Universidade Unifacs

Mesmo se o esperma não fosse necessário para a reprodução, disse Knowland, em um mundo sem homens, as mulheres “provavelmente voltariam a uma vida primitiva baseada na horticultura, morando em cabanas e sofrendo de uma escassez permanente de proteína animal e sua expectativa de vida seria reduzida para menos de 40 anos”.

Ele também se referiu às mulheres trans como “homens” na palestra e, em um ponto, ao mostrar um slide com uma foto de uma pessoa vestida de lagarto, ele disse: “Alguns filósofos apontaram que, logicamente, considerações que apoiam o transgenerismo também apoiaria, por exemplo, o transespecismo”.

Mostrando o desenho de um super-herói não binário, ele acrescentou: “Ninguém quer assistir a filmes sobre personagens como este”.

De acordo com a BBC, o Eton College disse ter feito um “pedido razoável” para a Knowland remover o vídeo de seu canal no YouTube, “mas apesar de vários pedidos e instruções, ele persistentemente se recusou a fazê-lo”.

VEJA TAMBÉM:  Oreo faz post pró pessoas trans e levanta discussão: "apoio ou campanha?"

A escola acrescentou: “Estamos tristes ao ver as coisas chegarem a tal resultado, mas a escola não teve escolha em face do conselho jurídico claro e da recusa persistente de remover o conteúdo”.

Professor transfóbico faz vaquinha custear para processo

Um processo disciplinar interno no Eton College, um internato de elite que cobra mais de £40.000 por ano em taxas, concluiu que a Knowland era culpado de má conduta grave. Agora, em uma audiência de apelação, a decisão de demitir o professor foi mantida.

Em uma carta à “comunidade Eton”, o professor transfóbico afirmou que “defendi minha liberdade de expressar informações, mas também, e mais importante, pela liberdade dos meninos de recebê-las”. Knowland arrecadou mais de £60.000 para lutar contra sua demissão em um tribunal de trabalho.