Após ter cancelado a exposição “Queermuseu” em Porto Alegre no fim do ano passado, após protestos de grupos conservadores, o Ministério Público determinou que o Banco Santander seja obrigado a realizar 2 exposições enfatizando temas sobre diferença, diversidade e direitos humanos de maneira a compensar sua atitude precipitada ao cancelar a exposição anterior.

A instituição tem prazo de 18 meses para realizar as duas exposições que devem permanecer abertas por pelo menos 120 dias. Caso não cumpra a decisão, o banco deve pagar multa de R$ 800 mil reais.

O conteúdo das novas exposições já vem sendo decidido. Uma deve abordar questões de intolerância racial, étnica e de orientação sexual e gênero através dos tempos. Já a outra deverá tratar do empoderamento das mulheres na sociedade contemporânea.

O procurador regional dos Direitos do Cidadão, Enrico Rodrigues de Freitas, elogiou a medida: “Ambas as temáticas são altamente relevantes nos dias de hoje e estão diretamente ligadas a questões que fecharam precocemente e equivocadamente a exposição ‘Queermuseu’. Sendo assim, nada mais coerente que debater estes temas por meio de novas exposições.”.

Também ficou estabelecido pelo Ministério Público, a obrigatoriedade do Santander deixar claro em cada exposição o teor, censura e avisos de conteúdo de nudez, violência ou sexo nas obras a serem expostas, assegurando assim a proteção a infância e juventude.


Veja também:

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).