No último dia 17 de maio, justamente no Dia Mundial de Luta Contra LGBTfobia, Demétrio Campos, um homem trans negro e periférico, cometeu suicídio.

Conhecido entre boa parte da militância LGBT, o jovem vinha sofrendo com depressão, alguns problemas pessoais e infelizmente não conseguiu vencer esta luta.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Apesar da satisfação em sua transição de gênero, o colocando em um corpo de acordo com o que sempre entendeu ser, Demétrio começou a viver outros problemas e dificuldades ao ser lido como um homem negro na sociedade racista onde vivemos.

Segundo relatos de pessoas próximas, não foram poucas as vezes em que Demétrio – pós-transição – passou a ser revistado na rua por policiais ou perseguido e vigiado por onde andasse. Sua transição o libertou de uma prisão – pessoal – e o colocou em outra – a da sociedade.

Em seu perfil, o coletivo “Orgulho Trans”, que o conhecia, escreveu sobre a trágica perda: “Vítima da extrema violência, seu sofrimento com o machismo, misógina, racismo e transfobia. Foi acusado de tantas coisas! Foi cancelado por muitos e muitas! Há um tempo vinha sofrendo com depressão e infelizmente não conseguiu vencer essa luta”.

VEJA TAMBÉM:  Joe Biden promete revogar veto de Trump a militares trans se eleito

Eles continuaram no post em sua homenagem: ”A última vez que o vimos aqui em casa no Arouche estava na batalha para conseguir mais oportunidades de trabalho. Ele que dançou tanto e levou sua alegria, presença e representatividade de uma corporalidade TRANSMASCULINA NEGRA para nossa MARCHA DO ORGULHO TRANS aqui em SP. Ele falou tantas vezes que não estava aguentando mais… Nossos profundos sentimentos! Seu nome será lembrado!”

View this post on Instagram

*LUTO* [AVISO DE GATILHO] @demozinn ・・・ NOTA DE FALECIMENTO ・・・ Com muita dor no coração esse 17 de Maio se inicia em LUTO! Dia internacional de combate a LGBT+FOBIA! Recebemos hoje a triste notícia de que nosso Amigo Demétrio se foi. Nosso dançarino alegre e talentoso, mais um homem trans negro que tira sua própria vida! Esse seu protesto último será lembrado! Vítima da extrema violência, seu sofrimento com o machismo, misógina, racismo e transfobia. Foi acusado de tantas coisas! Foi cancelado por muitos e muitas! Há um tempo vinha sofrendo com depressão e infelizmente não conseguiu vencer essa luta. A última vez que o vimos aqui em casa no Arouche estava na batalha para conseguir mais oportunidades de trabalho. Ele que dançou tanto e levou sua alegria, presença e representatividade de uma corporalidade TRANSMASCULINA NEGRA para nossa MARCHA DO ORGULHO TRANS aqui em SP. Ele falou tantas vezes que não estava aguentando mais… Nossos profundos sentimentos! Seu nome será lembrado! #vidastransimportam #naoaculturadocancelamento @orgulhotrans 🖤🖤🖤🖤🖤🖤🖤🖤🖤🖤 2ª MARCHA DO ORGULHO TRANS DE SÃO PAULO – Foto: 📸 @bernoch_ #orgulhotrans #trans #transgenero #orgulho #pride #respeito #inclusão #luto

A post shared by Marcha do Orgulho Trans (@orgulhotrans) on

Ao Põe Na Roda, o Coletivo “Orgulho Trans” também lembrou: “Este não é um caso isolado de suicídio. É ais complexo. Ele chegou a ser ameaçado por um cara branco cisco e acusado de estupro, sendo cancelado na Internet”.

VEJA TAMBÉM:  Coronavírus: Grupo faz vaquinha virtual para doar cestas básicas às pessoas trans

Seu perfil no Instagram contou com uma nota de falecimento lamentada por mais de mil pessoas, que disse: “Pedimos que todos lembrem da pessoa incrível, amada e talentosa que foi, guardaremos as melhores memórias para sempre em nosso coração”. Veja abaixo na íntegra:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).