O que você espera da polícia de um país onde LGBTfobia acaba de ser criminalizada? Que ela atenda o cidadão que a procura para denunciar este tipo de discriminação como vítima, certo? Não foi o que aconteceu com o jovem Lorran Oliveira, que vive em Itabuna, na Bahia.

Ele se envolveu em uma discussão com uma vizinha homofóbica no último domingo após seu marido ir tirar satisfação sobre as constantes risadas e deboches que ouviam sempre que andavam juntos pela região onde foram morar recentemente.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo seu desabafo no Facebook, após sofrer xingamentos homofóbicos e até agressões físicas da vizinha, a polícia foi chamada pelo casal, o que não adiantou nada para a vizinha parar com a homofobia e descontrole.

“A todo momento das agressões também sofri homofobia e a sensação era de impotência, afinal, se a agressão fosse ao contrário tenho certeza que as atitudes das pessoas seriam totalmente ao contrário”, relatou a vítima.

VEJA TAMBÉM:  Após pedido de casamento, PM é ameaçado de morte: “Vou te quebrar todo seu viado do caralh*”

Foi então que ambos foram levados para prestar depoimento na delegacia. “Mesmo tremendo, chorando e com muito medo, o policial que atendeu a ocorrência me fez ser levado no camburão (parte do fundo da viatura). Os vizinhos impediram que eu fosse lá, já que eu fui a vítima!”, contou Lorran.

Chegando ao complexo policial de Itabuna-BA, veio a surpresa: Lorran não foi levado a nenhuma salinha de depoimento para registrar Boletim de Ocorrência e nem foi ouvido. Ele, vítima dos crimes, foi algemado enquanto a autora dos crimes ficou na recepção repetindo os mesmos deboches e homofobias.

“Dei o meu depoimento e fui liberado com um guia para fazer os exames de corpo de delito e pediram-me que eu aguardasse o processo na justiça”, desabafou a vítima. Agora, Lorran espera que algum advogado o ajude a processar esse ser horrível que fez tudo que fez, ainda que não espere que isso vá dar em alguma coisa mesmo vivendo em um país onde LGBTfobia já foi criminalizada.

VEJA TAMBÉM:  Após defender mulheres de assédio, casal gay é alvo de ataque homofóbico pelo mesmo agressor

“Sei que isso não dará em nada, mas com a ajuda dos compartilharmentos de vocês talvez eu consiga algum advogado que me defenda e esse ser horrível pague por tudo que ela fez. Desde já agradeço a todos que estão tentando me ajudar de alguma forma e estou sentindo-me abraçado com cada mensagem de carinho”, finalizou ele em seu desabafo que viralizou e atingiu mais de 2.500 compartilhamentos no Facebook. Veja abaixo na íntegra:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).