Uma ação recente foi movida contra Philipp Plein que alega abertamente descriminação com funcionários LGBTQI+ e por ter demitido um funcionário considerado de alto escalão simplesmente por ser gay e viver com o virús da AIDS. Amro Alsoleibi, o ex-funcionário que trabalhou por mais de 1 ano como gerente de uma rede nacional, entrou com um processo contra o estilista e sua marca de grife.

 philipp plein
Estilista e designer Philipp Plein (Foto: Reprodução)

De acordo com o Women’s Daily, a marca de Philipp Plein faturou quase U$12 milhões de dólares durante a gestão de Amro Alsoleibi. De acordo com a Out.com, o ex-funcionário alegou declarações por parte do estilista como “Se você é muito gay, então não é bem-vindo” entre outras declarações absurdas contra outros funcionários.

Alsoleibi está processando a Philipp Plein Americas por danos morais que Plein está violando a Lei de Direitos Humanos do Estado de Nova York. Segundo a Out, o relatório jurídico diz que “Alsoleibi foi demitido por sua sexualidade e status soropositivo para HIV” e “e foi uma retaliação por suas múltiplas reclamações sobre as políticas de emprego ilegais dos réus e ambiente de trabalho hostil.” Vale ressaltar que o estilista ainda não se pronunciou sobre o caso.