VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Uma pesquisa encomendada pela plataforma LinkedIn em 2019 mostrou que 35% dos LGBTs afirmaram que já sofreram discriminação no local de trabalho, que vieram, na maioria, em forma de comentário e piadas homofóbicas.

O estudo ainda mostrou que 81% dos profissionais LGBT+ acreditam faltar muito para as empresas acolherem melhor esse público e que 54% disseram que a empresa onde trabalham possui práticas de inclusão. Além disso, 83% dos LGBTs e 75% dos heterossexuais apoiam as instituições deveriam medidas de responsabilização de colaboradores que cometerem discriminação por causa da orientação sexual e identidade de gênero.

A pesquisa, que entrevistou 1.088 profissionais, apontou também que 50% dos entrevistados já assumiram sua orientação sexual no trabalho abertamente, 25% já contaram a alguns de seus colegas e 25% não revelaram a ninguém.

Entre os que não falaram abertamente, os motivos apresentados foram: medo de sofrer represália dos colegas (22%), medo da orientação sexual influenciar negativamente o crescimento dentro da empresa (15%), retaliação dos gestores diretos (14%), que duvidem da capacidade profissional (12%) e medo da demissão (9%).

Entre as questão pessoais relatadas pelas pessoas que não falam abertamente sobre ser LGBT+, 51% dos entrvistados afirmaram que não consideram necessário, 37% disseram não gostar de falar sobre a vida pessoal no trabalho e 32% revelaram que não contam sua orientação sexual nem dentro nem fora do ambiente de trabalho.