Um pássaro super raro com plumagem masculina AND feminina descoberto na Pensilvânia (EUA) apresenta simetria corporal com um lado de asa amarela e o outro lado de asa rosa. Segundo o Universo Racionalista, os pesquisadores dizem que esse pássaro de aparência espetacular é um candidato para os livros dos recordes.

A equipe disse em nota que o exemplar de pardal-do-norte de peito rosa (Pheucticus ludovicianus) é provavelmente o produto de uma anomalia genética conhecida como ginandromorfia bilateral, mas só terão certeza após uma exame de sangue.

Não devemos confundir o fenômeno com o hermafroditismo verdadeiro, que se refere a ter tecidos reprodutivos masculinos e femininos. Neste caso, os ginandromorfos exibem características sexuais contrastantes em cada lado do corpo.

Como este pássaro é possível

Explicando este caso: enquanto um lado do pardal-do-norte de peito rosa parece geneticamente feminino, o outro lado mostra todas as características de uma ave geneticamente macho.

Foi observado que até a parte de trás de suas asas e cauda mostram diferenças sexuais determinadas. Se o pássaro for parecido com outros ginandromorfos que a ciência conhece, essa divisão esquerda-direita pode ser interna também, incluindo seu cérebro e seus órgãos reprodutivos.

Pássaro

“Toda a equipe reunida ficou muito animada em ver tal raridade de perto e estamos no auge desta experiência única na vida”, disse a gerente do programa Annie Lindsay. “Um deles descreveu que era como ‘ver um unicórnio’ e outro descreveu a adrenalina de ver algo tão notável”.

Os cientistas relatam que o fenômeno também foi relatado entre répteis, borboletas e crustáceos, e ainda se tem certeza de como funciona, mas foi sugerido que os ginandromorfos eram formados a partir da fusão de dois embriões em desenvolvimento, fertilizados separadamente.

Mas a sugestão m ais aceta, agora, é a de que quando as aves fêmeas produzem um ovo, a célula deve descartar metade de seus cromossomos em uma bolsa chamada ‘corpo polar’. Se o ovo mantém este corpo de DNA, entretanto, ele pode formar seu próprio núcleo.

Se dois espermatozoides fertilizarem um óvulo com dois núcleos em vez de um, e esses núcleos começarem a se dividir separadamente, cada lado do corpo do organismo poderia teoricamente ter seu próprio sexo, com um lado expressando cromossomos femininos e o outro cromossomos masculinos, diz a revista. Lembramos que este caso nada tem a ver com homossexualidade animal.