Um pai homofóbico na Itália foi recentemente condenado a dois anos de prisão. O homem de 75 anos pagou um torturador profissional de aluguel por 2.500 euros para quebrar os dedos de seu filho gay de 43 anos.

O jornal italiano La Repubblica informou que a briga entre pai e filho começou quando jornais locais publicaram fotos do filho – um cirurgião de sucesso em Torino, no norte da Itália – junto com um ator local.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em fevereiro, o pai homofóbico contratou dois homens para espancar o companheiro de seu filho. A agressão deixou o ator com ferimentos graves e ele teve de ser hospitalizado. Em diversas ocasiões, o filho havia trocado as fechaduras de suas portas, e os dois não se sentiam seguros para sair de casa sem estarem acompanhados por amigos.

“Meu filho é um bandido, quebre os dedos dele”, disse o pai homofóbico ao torturador profissional romeno em abril. O torturador que seguiu o filho e seu parceiro por um período de duas semanas percebeu que o pai havia mentido para ele. O contratado então apenas furou os pneus do carro do filho, contou ele em um tribunal local.

VEJA TAMBÉM:  "Aqui não sofro ameaça de morte por ser gay", revela Leonardo Vieira após deixar o Brasil

Em novembro, a câmara baixa do Parlamento da Itália votou para aprovar um projeto de lei que tornaria violência contra pessoas LGBTQI+ e pessoas com deficiência, bem como misoginia, um crime de ódio. A câmara alta do país ainda não aprovou a lei que impõe essas proteções contra as minorias.

Pai homofóbico irá a novo julgamento

Chiara Appendino, prefeita de Torino, foi rápida em condenar as ações horríveis e desprezíveis do pai dizendo que ele não era representativo dos valores da cidade e chamou a atenção para a necessidade de uma legislação contra crimes de ódio.

“Precisamos de uma lei o mais rápido possível que ajude a trazer uma mudança cultural profunda”, disse Appendino, em uma carta que escreveu ao tribunal. “Precisamos dessa mudança cultural nas instituições, em escolas, famílias e cidadãos. Este ódio deve ser derrotado o mais rápido possível, sem qualquer exceção.”