Um padre católico se recusou a abençoar os ramos dos fiéis no Domingo de Ramos em protesto contra a proibição da Igreja Católica de abençoar as uniões do mesmo sexo. Padre Giulio Mignani de Bonassola, perto de La Spezia, na Itália, é um fervoroso defensor do casamento homoafetivo, de acordo com relatos da mídia local.

O padre disse à sua congregação no Domingo de Ramos que não faria a bênção de rotina, que ocorre no domingo antes da Páscoa, em protesto depois que o Vaticano proibiu o clero de abençoar casais do mesmo sexo porque Deus “não pode abençoar o pecado”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Se não posso abençoar casais formados por pessoas do mesmo sexo, também não abençoarei palmeiras ou ramos de oliveira”, disse o padre Mignani à multidão que se reuniu para a missa no domingo (28 de março).

VEJA TAMBÉM:  Padre é pego filmando sexo no altar da igreja com dominatrizes

A proibição da Igreja Católica de bênçãos para pessoas do mesmo sexo gerou fúria
A intervenção de Mignani é apenas a mais recente de uma série de respostas furiosas de personalidades da Igreja Católica à decisão do Vaticano. Houve uma condenação generalizada quando a Congregação do Vaticano para a Doutrina da Fé emitiu uma nota explicativa em 15 de março dizendo aos padres que eles não deveriam mais abençoar casais do mesmo sexo.

A carta, que foi aprovada pelo Papa Francisco, dizia que uma bênção só pode ser conferida a um casal que vive segundo “os desígnios de Deus inscritos na criação”. Embora a nota insistisse que Deus ama todos os seus filhos igualmente, ela continuava dizendo que ele “não pode abençoar o pecado”.

James Martin, um padre jesuíta conhecido por sua defesa LGBT+, disse que não viu tantas pessoas prontas para deixar a igreja desde os escândalos de abuso sexual infantil. “Desde a raiva contra o abuso sexual em 2002 e 2018, não vejo tantas pessoas tão desmoralizadas e prontas para deixar a igreja, como fiz esta semana”, escreveu Martin no Twitter.

VEJA TAMBÉM:  "Em Porto Rico não seguimos ditadores", diz Ricky Martin em protesto contra governo da ilha

Enquanto isso, a ex-presidente irlandesa Mary McAleese – uma católica que também tem um filho gay – criticou a declaração do Vaticano como “insuportavelmente cruel”. Em uma carta ao arcebispo católico Eamon Martin, McAleese disse que as “palavras amigáveis ​​do Papa Francisco à imprensa muitas vezes realizam esperanças de reforma da igreja, que são subsequentemente quase invariavelmente frustradas por firmes reafirmações do ensino da igreja inalterado”.