A organização da Parada LGBT de São Paulo teria bloqueado a drag queen Kaká Di Polly de suas redes sociais, segundo afirmou a própria em seu Instagram.

Kaká Di Polly ganhou muita notoriedade nas redes sociais na semana passada depois de uma série de críticas que fez pela pouca representatividade e presença de militantes LGBTs de gerações anteriores – estes que deram a cara a tapa pra que a Parada LGBT existisse – na Primeira Parada LGBT Virtual, que aconteceu no domingo da semana passada (14).

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Pra quem não sabe, a Primeira Parada LGBT de São Paulo aconteceu com ajuda de Kaká Di Polly, que se jogou fingindo passar mal em plena Avenida Paulista para parar o trânsito e distrair a polícia para que a marcha, ameaçada de ser proibida pelas autoridades, pudesse acontecer.

Depois do posicionamento de Kaká, muitas foram as críticas nas redes sociais da Parada LGBT de SP pedindo por mais consideração e respeito a quem ajudou a criar a Parada LGBT e também mais visibilidade a influenciadores que vestem essa bandeira o ano todo.

VEJA TAMBÉM:  Indianos realizam Parada LGBT mesmo sendo crime no país

“Hoje, os organizadores da Parada LGBT @paradasp decidiram bloquear a Kaká di Polly no instagram, logo após a repercussão dos fatos e do barulho que os fãs fizeram pedindo explicações dos organizadores”, explicou o internauta @osouzawesley no Twitter indignado com o desprezo pelas críticas de uma drag queen lendária ao movimento LGBT.

Em seu Instagram, Kaká Di Polly acusou o bloqueio com um print e comentou: “Aí a prova do que eles estão fazendo”.

View this post on Instagram

Ai a prova que eles edtao fazendo

A post shared by Kaká di Polly – Oficial (@kakadipolly) on

No Instagram da drag queen, muitas foram as críticas à organização da Parada LGBT: “A Parada está sendo administrada por adolescentes de 15 anos? Mais respeito seria bom”e “Absurdo! Uma organização que não está aberta ao diálogo”, foram alguns dos comentários perplexos com a falta de autocrítica da associação que cuida do evento.

VEJA TAMBÉM:  Avon patrocina pela 1ª vez Parada LGBT de SP e artistas LGBTs

Atualização: A Parada LGBT negou ter bloqueado Kaká Di Polly de suas redes sociais. Fabrício Vianna, que integra a organização, respondeu o post de Kaká Di Polly: “Que coisa feia, Kaká. Eu gerencio a conta da @paradasp no Twitter da ONG e sua conta nunca foi bloqueada. Usar imagem falsa pra criar tumulto. Que ridículo. Isso merece BO (vou repassar para a diretoria da APOGLBT SP) e que a justiça seja feita. Que golpe mais baixo. Que horror.”

O perfil oficial da Parada de SP no Instagram também respondeu: “Há em nossa conta no Twitter aproximadamente 20 contas bloqueadas ao longo de todos estes anos e nunca bloqueamos você ou qualquer outra personalidade LGBTQIA+. Bloqueamos perfis lgbtfobicos apenas. Jamais imaginaríamos que você publicasse uma imagem desta na sua rede social dizendo que nós te bloqueamos: algo que nunca aconteceu. Isso é ir contra a verdade. Algo que nunca esperávamos de sua pessoa. Nossa consciência está tranquila e, melhor, temos como provar legalmente tudo o que estamos dizendo”.

VEJA TAMBÉM:  Cuba celebra Parada LGBT contra homofobia e transfobia; veja fotos

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).