Os biscoitos Oreo dividiram a internet mais uma vez, desta vez simplesmente declarando que as pessoas trans, de fato, existem. Na quinta-feira (25 de fevereiro), a marca de biscoitos tuitou: “Existem pessoas trans”, assim, do nada, simples e reto, sem uma campanha específica (parece até indireta).

Segundo o Pink News, a Oreo não deu contexto ao tweet, embora muitos tenham interpretado que era uma referência a uma votação da Câmara nos EUA no mesmo dia para aprovar a Lei da Igualdade, que expande substancialmente a Lei dos Direitos Civis existente de 1964 para incluir proteções específicas para orientação sexual e identidade de gênero.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Muitos usuários do Twitter comemoraram a declaração de solidariedade, comparando as palavras de um biscoito com as reais autoridades eleitas. Um escreveu: “Os biscoitos não devem ser mais inteligentes do que os congressistas”. No entanto, alguns questionaram se a declaração era apenas mais um exemplo de capitalismo arco-íris, que a comunidade LGBT+ se cansou de ver.

VEJA TAMBÉM:  Em resposta à vizinho homofóbico, lésbicas têm a melhor ideia: pintar a casa de arco-íris

Uma pessoa twittou: “Concordo inteiramente, mas esta é uma sala de velhos brancos dizendo ‘como podemos vender mais biscoitos para os jovens?'”. Outro perguntou: “Quando você vai doar para instituições de caridade trans?”. Enquanto outra pessoa twittou: “Oreo realmente disse que pessoas trans existem, em seguida, desconectou-se.”

Uma pessoa explicou por que a declaração Oreo poderia ser interpretada como uma aliança performativa, escrevendo: “Para aqueles nos comentários que não entendem por que tantas pessoas trans estão descontentes com isso, explico que ‘abelhas existem’, faça alguma coisa para ajudar as abelhas. Isso lhe diz se eu acho que a existência de abelhas é positiva? Não. Não importa”.

Alguns insistiram, no entanto, que qualquer que fosse a intenção, a declaração Oreo ainda era positiva: “Eu tenho que discordar”, escreveu um fã trans. “Mesmo que seja mais provável por razões capitalistas, obter reconhecimento e normalização faz com que muitas pessoas se sintam válidas e menos como se fôssemos os excluídos que deveriam temer por nossas vidas.”

VEJA TAMBÉM:  Escrivã anti-LGBT terá que pagar R$ 900 mil de multa por se recusar a registrar casamento gay

Outro usuário do Twitter pesquisou e compartilhou que a marca apoiava as pessoas trans em ações, não apenas em palavras. “Normalmente tento chamar a atenção da hipocrisia, mas, uau. A empresa detentora da Nabisco tem uma classificação de 100 pela Campanha de Direitos Humanos ao oferecer cuidados de saúde trans-inclusivos. Obrigado por ser meu biscoito favorito.”