A ONG Transvest ofereceu auxílio financeiro e cestas básicas para mulheres transexuais e travestis. Desde o início da pândemia da Covid-19, em março de 2020, a organização já distribuiu 14 parcelas de auxílio. Em algumas oportunidades, as beneficiadas chegaram a receber duas parcelas simultaneamente. As informações são do UOL.

Duda Salabert, vereadora pela cidade de Belho Horizonte, é uma das dirigentes da organização. Ela explicou que a iniciativa nasceu com o crescimento da pandemia e a necessidade do isolamento social.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Sabíamos que a realidade iria afetar consideravelmente travestis e trans do país, já que 90% delas estão na prostituição e fora do mercado formal de trabalho. Segundo a ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) só 4% estão no mercado formal, então a gente precisava fazer uma ação para não morrerem de fome durante o isolamento social.”

ONG dirigida por Duda Salabert oferece renda mínima a transexuais e travestis
ONG dirigida por Duda Salabert oferece renda mínima a transexuais e travestis (Foto: Reprodução / Instagram)

Duda concluiu, dizendo que as vulnerabilidade social impede mulheres trans e travestis de acessar o auxílio federal. “Há ainda o agravante de que grande parte delas não tem renda e nem endereço devido às questões de vulnerabilidade social, e parte significativa não teria sequer acesso ao auxílio emergencial do governo federal”

VEJA TAMBÉM:  Prefeitura de BH pode ter candidato bissexual e candidata travesti na disputa pela 1ª vez

O auxílio beneficiou 132 travestis adultas e 16 travestis idosas. São consideradas idosas, travestis acima de 35 anos, idade que representa a expectativa de vida de mulheres trans e travestis no Brasil. O dinheiro do auxílio foi obtido através de doações da sociedade civil e do caixa da ONG.