Antigamente, dizia-se que uma mulher de menos posses se casava com um homem para ter um status social e, se não desse certo o casamento, viveria de pensão pelo resto da vida.

Veio o casamento gay e, todos os direitos inerentes ao casamento civil se aplicam ao casamento homoafetivo.

Já falei sobre alimentos aqui sob outros aspectos mas, hoje quero tratar do fato de que a sentença sobre alimentos não transita em julgado nunca. O que quer dizer isso? Se um juiz te deu a possibilidade de receber uma pensão alimentícia, essa sentença pode ser questionada por você para ser aumentada ou, pelo pagador para ser diminuída, de acordo com as mudanças de possibilidade econômica tanto de quem paga como de quem recebe.

Muitas foram as mudanças que foram sendo introduzidas no direito de família sobre os alimentos: aos filhos, até a maioridade (18 anos) ou, terminarem a primeira faculdade.

Para o cônjuge, dado que os alimentos no Brasil tem caráter de parentesco, é mais difícil conseguir alimentos. Como dizia minha mãe: “Marido não é parente; é um conhecido que dorme com a gente”. E isso é fato: marido e mulher, marido e marido e mulher e mulher, não são parentes sanguíneos. Os parentes do casal são os filhos.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Assim, juízes têm se inclinado a dar alimentos ao ex-cônjuge por período determinado de um ou dois anos, até que ele se recoloque no mercado de trabalho. Não existe mais o golpe do baú por alimentos. Isso caiu da moda!