Em pesquisa que foi feita em cartórios de todo o país, um dado relevante chamou atenção ao estado de Santa Catarina: após as eleições presidenciais, o número de casais LGBT que procurou cartórios para oficializar a união cresceu muito. Das quase quinhentas uniões civis realizadas no último ano, 101 (24,3%) ocorreram só em dezembro.

Ativistas LGBTs acreditam que esse aumento se dê pelas manifestações promovidas durante a campanha do atual Presidente da República. Para os casais LGBT, o maior receio é mudanças na legislação e que eles não possam mais se casar, uma vez que o Brasil tem um presidente assumidamente homofóbico.

Especialista observam essa “pressa” da união como uma preocupação com possíveis retrocessos de direitos. “Com o nosso congresso e, principalmente, com o atual presidente nunca se sabe o que pode acontecer”, especula o bacharel em Direito, Otávio Zini, que atua na ONG Amigos & Tribos, que dá apoio a comunidade LGBT. É justamente por esse receio que o bacharel e seu companheiro estão de data marcada para oficializar a união.

Segundo a Arpen, Associação Nacional de Registradores de Pessoas Naturais, no ano de 2018 foram realizados mais de 30 uniões de casais LGBTs somente nos municípios de Balneário Camboriú e Itajaí.