Um funcionário do condado no interior do Estado de Nova York está sendo instado a renunciar depois que foi divulgado que ele disse que os gays deveriam ser enviados para uma ilha, onde morreriam aos 40 anos (ledo engano, querido).

George Langdon IV, um membro republicano da Legislatura do Condado de Albany, agora se desculpou pelo comentário homofóbico, mas muitas pessoas ainda estão indignadas, e uma manifestação foi planejada para sexta-feira para pedir sua renúncia, informou o Albany’s Times Union.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Langdon falou no fim de semana passado em um seminário chamado “Um retorno à liberdade segundo a Constituição” em Nova York. O vídeo do evento o mostra dizendo que relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo não são “perpétuos” e não estão de acordo com o desígnio de Deus para a humanidade.

“Tudo o que Deus faz é sustentável”, disse ele no vídeo, que circulou nas redes sociais. “É perpétuo. Desculpe, quando você tem relacionamentos homossexuais, não é perpétuo. Dê a eles uma ilha, eles irão embora em 40 anos. Porque Deus nos criou assim. Há muito bom senso que precisa ser aplicado às nossas políticas, aos nossos procedimentos que fazemos em nosso governo”.

VEJA TAMBÉM:  Ao ter encontro recusado, homem quebra o nariz de lésbica

Civis de Nova York condenaram ato homofóbico

Os comentários de Langdon foram rapidamente condenados. Entre os que pediram sua renúncia estava o presidente da legislatura do condado de Albany, Andrew Joyce, um democrata. “Me dói ampliar, mesmo que remotamente, os comentários repugnantes cuspidos pelo legislador do condado de Albany, George Langdon”, disse ele em um comunicado, segundo o Times Union de Nova York.

“Ouvir alguém rindo compartilhando um cenário horrível e apavorante de nossos entes queridos ‘desaparecidos depois de 40 anos’ abala a todos nós, não apenas como servidores públicos, mas como seres humanos. Peço que ele se desculpe e renuncie. Não por 40 anos, mas para sempre”.

Langdon emitiu uma declaração de desculpas na quinta-feira. “Peço desculpas sinceramente à comunidade LGBTQ e a todos os outros pelos comentários dolorosos feitos recentemente em uma conferência”, disse ele. “Nunca fui homofóbico nem acho que qualquer indivíduo deveria ser colocado em uma ilha”.

VEJA TAMBÉM:  Político de extrema-direita e anti-LGBT é flagrado em orgia gay

Ele continua: “Lamento profundamente meu comentário tolo improvisado que causou tanta dor. Eu me comprometo a fazer um trabalho melhor respeitando a diversidade. Espero que meus anos anteriores de serviço público demonstrem uma preocupação genuína por todos os indivíduos. Vou reservar um tempo para refletir sobre a melhor forma de servir no futuro”.

Segundo o ADVOCATE, o The House of Precise, uma organização LGBTQ+ de Nova York com sede em Albany, planejou um comício para a sexta, dia 9, para exigir a renúncia de Langdon.