O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, comentou o apoio do Papa Francisco às uniões civis para casais gays. Reagindo positivamente, ele reiteirou seu apoio à igualdade no casamento também.

Embora se oponha à igualdade no casamento, que pra igreja continua valendo só sendo heterossexual, o Papa Francisco defende a união civil como alternativa que garanta legitimidade legal e segurança aos casais homoafetivos. Vale lembrar que suas palavras tem influência na Venezuela, onde sete em cada dez pessoas são católicas romanas.

Segundo noticiado pelo GSN, em sua fala, Nicolas Maduro disse: “Tenho amigos e conhecidos que estão muito felizes com o que o Papa disse ontem. Vou deixar essa tarefa, a tarefa do casamento LGBT, para a próxima Assembleia Nacional”.

Embora os católicos LGBT + tenham aceitado rapidamente os comentários, seu verdadeiro significado pode não ser o que os defensores da igualdade no casamento esperam.

Nicolas Maduro e Papa Francisco defendem união gay (Foto: Montagem / Reprodução)
Nicolas Maduro e Papa Francisco defendem união gay (Foto: Montagem / Reprodução)

O arcebispo de São Francisco, Salvatore Cordileone, disse que o Papa Francisco disse a ele e a outros padres seniores que sua visão de uniões civis “não pode de forma alguma ser equiparada ao casamento”. Além disso, o arcebispo argumentou que a fala do pontífice poderia incluir o reconhecimento legal para irmãos e irmãs que moram juntos.

Enquanto isso, uma questão que continua sem resposta é se Maduro pode fazer a igualdade no casamento acontecer na Venezuela. A situação política no país está longe de ser certa, pois se prepara para as eleições de 6 de dezembro.

Em 2017, o líder venezuelano já falou publicamente em apoio ao casamento igualitário.  Na época, ele disse que a Assembleia Constituinte – um órgão criado para revisar a constituição da Venezuela – decidiria sobre o assunto. No entanto, apesar do apoio da maioria na assembleia, a questão estagnou enquanto o país luta com problemas políticos e econômicos mais amplos.

Além disso, muitos criticam Nicolas Maduro, por considerá-lo um ditador que presidiu uma era de escassez nacional, assassinatos extrajudiciais e outros crimes contra a humanidade.

Nem as eleições de dezembro necessariamente clarificarão o futuro do país. A principal oposição está boicotando a votação, argumentando que Nicolas Maduro planeja manipulá-la.

Apesar de seu histórico de ataques aos direitos humanos, Maduro deixou claro que apoiava a igualdade LGBT desde 2013, quando disse durante uma aparição na TV: “Se eu fosse gay, assumiria com orgulho e gritaria aos quatro ventos e não teria nenhum problema em amar quem eu tivesse que amar de coração”.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).