Já tá sabendo que finalmente estreou Super Drags na Netflix? Corre assistir, mana! Aproveite e veja aqui o trailer se ainda não assistiu.

Como era de se esperar, a Netflix vem divulgando a primeira série de animação brasileira original da plataforma em todas suas redes sociais. Alguns dias atrás postou inclusive o clipe da música de abertura cantada por ninguém menos que Pabllo Vittar.

Foi nisso que um seguidor da página – incomodadíssimo – foi acusar a plataforma de streaming por estar promovendo uma animação de temática LGBT a acusando de pink money (termo usado pra se referir a quando alguma empresa ou artista usa a comunidade LGBT só pra conseguir dinheiro ou se promover sem fazer mais nada em troca efetivamente).

“A Netflix usando a comunidade LGBT e simpatizantes pra se promover kkkk e os tontos aplaudindo”, afirmou. Foi aí que a plataforma de streaming mais linda foi lá e respondeu na lata: “Estranho que quando os personagens são heterossexuais, ninguém me acusa de estar ˜usando˜ a comunidade hétero pra me promover.”

Netflix responde seguidor incomodado com a série Super Drags.

Vale lembrar que este não foi o único pisão levado por um conservador ao se queixar de Super Drags na Netflix. A realidade é que é bem fácil pisotear essa gente! Segue mais um exemplo divertido abaixo e que rolou no mesmo post, quando um Bolsominion “ameaçou” tirar três (uau!) assinantes da plataforma:

Internauta responde “ameaça” de usuário que quis cancelar a Netflix só por Super Drags existir.

Trágico por constatarmos o nível de alienação e recalque dessa gente, né? Mas não deixa de ser engraçado ler essas respostas, vai…

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).