Você perdeu o emprego?

Está sem renda alguma mas, sobrou um dinheiro da rescisão. Vamos empreender?

Esse tem sido um discurso recorrente das pessoas que ajudam outras em seus empreendimentos. Só uma boa ideia não basta para o sucesso comercial.

Vender bolos na rua, prestar serviços de qualquer natureza ou começar a fazer qualquer coisa para se virar não é empreender. Isso é glamourizar a pobreza porque não há outra opção para a pessoa.

Maria da Paz só existe em novela que, vendendo bolo na rua por fatias, fica milionária e se muda para uma mansão com muitos empregados.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Se você quer mesmo empreender deve ter na cabeça que negócio não é para amadores.

SETENTA POR CENTO, leia bem, SETENTA POR CENTO dos novos negócios se fecham em até um ano depois de abertos.

Você teve uma boa ideia? Ótimo! Vamos partir daí: primeiro, procure o Sebrae que é um serviço que ensina a profissionalizar os empreendedores.

Procure um advogado e há muitas ONG’s que disponibilizam esse serviço para saber dos riscos de seu negócio ou, o que você não deve fazer.

Procure ajuda sempre de um administrador que pode ser essa consultoria do SEBRAE para que você possa saber tocar o seu negócio para frente.

Trabalhe desesperadamente.

Mas, o mais importante é o que eu disse acima: obtenha informações sobre o mercado, sobre o seu negócio e como conduzi-lo. Estude, melhores seus produtos, diferencie-se. Não seja uma Maria da Paz porque ela não existe, só em novela.

Não aceite “ajuda” de parentes e amigos. Isso acaba virando ação trabalhista. Se você precisa de ajuda, contrate legalmente alguém.

Se você vai vender comida, não é com carrinho na rua, tem que ter licença da prefeitura e da vigilância sanitária porque as normas de higiene são muito rígidas.

Ah, mas nem todo mundo tem isso, você vai dizer. E eu respondo: sim, mas quem não tem, ou vai empacar numa barraquinha de cachorro quente e jamais será o Mc Donald’s ou, vai fechar como os demais setenta por cento dos quais eu falei acima.

As chances para quem se prepara para qualquer coisa, desde uma prova na escola até abrir um novo negócio são maiores do que as de quem resolve vender bolo na rua só porque sua mãe disse que o bolo estava bom.