Uma mulher trans foi morta a pauladas, na noite do último sábado, no centro de Manaus. Andressa Santos tinha 36 anos e sonhava em cursar faculdade de estética e iniciar o processo de redesignação de gênero. Andressa saiu para se divertir e nunca mais voltou. As informações são do Em Tempo.

“Ela saiu aquela noite para se divertir. Disse ‘vou ali’, mas não voltou. Depois descobrimos que ela havia sido assassinada. Acabaram com a história da minha irmã. Destruíram os sonhos dela”, lamentou Evalcilene Santos, irmã da vítima, em entrevista exclusiva ao jornal Em Tempo.

Na manhã de sábado (24), a família de Andressa estava em casa, quando foi avisada sobre uma de suas colegas telefonou para eles e informou sobre um homicídio no centro de Manaus. Ela suspeitava que fosse a irmã de Evalcilene. Os parentes se locomoveram até o Instituto Médico Legal (IML) e reconheceram o corpo.

Mulher trans é morta a pauladas em Manaus: "destruíram os sonhos dela"
Mulher trans é morta a pauladas em Manaus: “destruíram os sonhos dela” (Foto: Reprodução )

“Eu sou ativista pelos direitos das mulheres, respeito e luto muito por isso. E penso ‘poxa, isso tinha que acontecer logo com a gente?’. Eu não consegui proteger a minha irmã”, disse Evalcilene.

“No interior as pessoas chamavam ela no masculino e ela não gostava. Queria ser chamada de Andresa e respeitada por isso. Quando veio para Manaus, começou a querer estudar e mudar de vida, mas era muito difícil sem um trabalho por causa da pandemia. A Andresa sofria muito preconceito, mas como diziam as amigas dela, a minha irmã não baixava a cabeça. Eu imagino que, durante a noite de sábado, ela tenha sofrido ataques transfóbicos e tenha reagido, por isso, foi morta a pauladas”

Segundo a Associação de Travestis, Transexuais e Transgêneros do Amazonas (Assotram), esse é o terceiro assassinato de uma pessoa trans no estado apenas em 2021. “Ainda estamos no quarto mês do ano e esse número já é maior que o ano passado. E nesse caso, a Andresa foi morta a pauladas, ou seja, não basta apenas matar, tem que humilhar, tirar nossa dignidade. É realmente um crime de ódio”.