VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Uma mulher de 42 anos foi flagrada xingando um funcionário de uma agência de viagens por ser gay. Em um determinado momento do vídeo a acusada fala: “Veadinho, bicha, odeio veado, vou te matar e veado não entra no céu”. O caso ocorreu no município de Lucas do Rio Verde (Mato Grosso).

De acordo com o site “O Bom da Notícia”, a Polícia Militar chegou ao local e levou a suspeita por crime de homofobia, ameaça, dano, injúria mediante preconceito, lesão corporal e tráfico de influência.

A vítima relatou que a mulher chegou na agência a procura de passagem e que ela havia ultrapassado o limite de distanciamento recomendável no combate ao coronavírus. Ao ser orientada, a mulher passou a xingar a vítima com ofensas homofóbicas e danificar objetos do estabelecimento.

Evangélica é presa por esmurrar e xingar gay em MT

A Polícia Militar prendeu uma mulher de 42 anos por crime de homofobia, ameaça, dano, injúria mediante preconceito, lesão corporal e tráfico de influência, na tarde do último domingo, em Lucas do Rio Verde. A suspeita agrediu um funcionário de uma agência de viagem no terminal rodoviário do município.Por volta das 13h30, policiais foram acionados via 190 para deter uma mulher que estava agredindo o funcionário de uma agência de viagem e danificando o estabelecimento. Ao verificar a denúncia no Terminal Rodoviário, os policiais constataram que a suspeita estava alterada e tentou verbalizar com a mulher.A vítima relatou que a suspeita chegou na agência a procura de passagem e que ela havia ultrapassado o limite de distância recomendável pelas autoridades sanitárias para a prevenção da Covid- 19, que delimita um espaço entre duas pessoas para garantir o distanciamento social, distância demarcada na empresa por correntes.O jovem, na tentativa de orientá-la, passou a ser ofendido pela mulher que não obedeceu ao limite demarcado e passou a danificar objetos da empresa.Segundo testemunhas e a vítima, a mulher então passou a quebrar máquinas de cartão, cones, teclado e monitor de um computador, o celular de um mototaxista, o balcão da agência. A suspeita passou a ameaçar de morte o funcionário e cometendo crime de injúria e homofobia pela escolha sexual da vítima, proferindo ofensas como “veadinho, bicha, odeio veado, vou te matar e veado não entra no céu”.Descontrolada, a mulher agredia quem se aproximava, inclusive os policiais. Resistindo a prisão, a suspeita chegou a dizer que era parente de uma autoridade do Estado, na tentativa de intimidar a ação dos policiais.A suspeita foi conduzida à Central de Flagrantes.

Posted by O Bom da Notícia on Monday, June 29, 2020

Em um momento da gravação a mulher começa a questionar a vítima se ele é “homem ou veado”. Quando o rapaz reponde que é gay a acusada passa a realizar vários insultos homofóbicos. Além disso, a suspeita é vista tentando várias vezes agredir o funcionário.

Outras frases que a suspeita fala foram:”Você sabia que veado vai para o inferno?”, “eu tenho nojo de veado”. Apesar dos pedidos do funcionário, ele só recebeu ajuda com a chegada da polícia.

No final da gravação, a mulher pega uma barra de ferro, começa a destruir o estabelecimento e ainda agredi o homem que estava filmando.