Em uma decisão há muito tempo aguardada, a Organização Mundial de Saúde acabou de anunciar neste segunda-feira (18) uma decisão histórica: a retirada da transexualidade da lista de doenças mentais da agência da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para se ter noção da importância, o mesmo aconteceu em 1990 com a homossexualidade, que até então era classificada como transtorno mental, assim como a transexualidade até ontem.

Desde 1973, a homossexualidade era tida como doença. De 1990 em diante, os direitos homossexuais avançaram e a homossexualidade vem desde então sendo cada vez mais aceita e encarada com naturalidade (ainda que exista um longo caminho pela frente pra extinguirmos de vez o preconceito desse mundo!). Os supostos tratamentos de “cura”, vulgo tortura, passaram também a ser proibidos pela classe de médicos e psicólogos, uma vez que a questão não se caracteriza como uma doença.

Inclusive foi a data de 1990 que deu origem a Dia Internacional de Luta Contra Homofobia, assim lembrado e comemorado todo 17 de maio.

Conforme noticiou a revista Forum, a OMS publicou neste dia 18 em seu site, a revisão do manual de Classificação Internacional de Doenças (CID-11) que retira a chamada “incongruência de gênero” – ou transexualidade – de uma lista de transtornos mentais onde estão listadas doenças como pedofilia e cleptomania.

A partir de agora, oficialmente, a transexualidade deve ser encarada apenas como uma “condição relativa à saúde sexual”, sendo este apenas um jeito encontrado para não deixar de lado a importância de políticas públicas de saúde para este segmento, uma vez que o processo de transição, hormonização, assistência psicológica ou até necessidade de possíveis cirurgias, podem ser necessidades (ou não, depende do caso!) médicas específicas destas pessoas.

No vídeo abaixo, postado no canal oficial da OMS no YouTube, a coordenadora da Equipe de Adolescentes e Populações em Risco da agência, doutora Lale Say, anunciou a mudança:

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).