Segundo noticiado pelo Metrópoles, o médico bolsonarista Dorival Ricci Júnior, de 49 anos, expulsou  uma cuidadora de idosos do hospital que administra por ela ser lésbica. Ele foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR) pelos crimes de racismo social e falsidade ideológica. As informações são do jornal Metrópoles.

Dorival falou para a profissional que não sabia “que espécie que é, se é homem ou se é mulher”. O homofóbico disse ainda que “aqui não pode” e perguntou como a funcionária entrou na unidade de saúde.  “Não quero saber, saia do meu hospital”.

A denúncia foi apresentada pelo MP na última quinta-feira (11). Os crimes ocorreram em 29 de janeiro de 2020, no Hospital Paraíso, na cidade de Paraíso do Norte, interior do Paraná. A Promotoria de Justiça entendeu que o médico praticou discriminação em razão da orientação sexual da vítima “agindo dolosamente, ciente da ilicitude e reprovabilidade da conduta, imbuído de ânimo lesbofóbico”.

A cuidadora havia sido contratada para acompanhar um idoso que estava internado na unidade médica. Ao entrar na enfermaria, Dorival Ricci Junior, perguntou se a enfermeira tinha “teria estudado o caso dela”, em referência à homossexual. A profissional de saúde respondeu que a mulher era “feminina”.

“Isso não pode. O que isso aqui está virando?”, indagou o médico à enfermeira, na frente da vítima.Dorival Junior seguiu com os questionamentos a outras profissionais: “Vocês não se sentiriam constrangidas se ela as visse urinando?”

“Após a vítima tentar, sem sucesso, interpelá-lo diante das ofensas lesbofóbicas, o acusado disse, ainda: ‘Não quero saber, saía do meu hospital’, ‘Não sei que espécie que é, se é homem ou se é mulher’ e ‘Aqui não pode’”,concluiu a promotoria.

Metrópoles procurou o médico Dorival Ricci Junior, mas apesar da série de tentativas o denunciado não retornou ao questionamentos.