Mulher preta de origem periférica, passista e médica, a maravilhosa Thelma é exemplo de perseverança e muita luta pra ter chegado onde chegou na vida em um país tão desigual quanto o Brasil.

Pra se ter ideia do que falamos aqui, na faculdade de medicina – seu sonho desde a infância – e onde era a única aluna negra dentre TODOS por lá, a sister lembra que o “kit” de cada aluno que passava era um carro zero e apartamento dado pelos pais, enquanto ela ganhava R$ 300 reais, tinha que se alimentar em restaurantes do governo por R$ 1 e encontrava dificuldade até pra poder comprar os livros caríssimos do curso.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em uma thread do Twitter, o vestibulando @gsiqueira155, contou a biografia da participante do BBB 20.

Conheça abaixo essa história de vida inspiradora, e aproveite pra dar RT na thread completa para os seus seguidores também ficarem por dentro.

Criada na periferia, Thelminha foi rejeitada pela mãe biológica e adotada por seus pais com 3 dias de vida, um pouco depois deles perderem um bebê.

VEJA TAMBÉM:  Hadson, do BBB 20, nega ser homofóbico: "Fico chateado"
Imagem

Thelma descobriu sua paixão por medicina ainda criança quando tratava uma bronquite e disse pra sua médica que gostaria de ser igual a ela. Após isso, a mãe a presenteou com uma maletinha de equipamentos médicos.

Imagem

Sabendo do sonho e esforço da filha pra se tornar médica, mesmo passando por dificuldades, os pais de Thelma pagaram uma escola particular até o ensino médico pra ela se dedicar melhor aos estudos e seguir sua profissão dos sonhos.

Imagem

Concluiu seu ensino médio em uma escola pública da região e, após isso, foi aprovada em um cursinho pré-vestibular com 50% de desconto. Começou a dar aulas de balé e entregar panfletos pra ajudar os pais no pagamento das mensalidades.

Eles chegaram a ficar sem luz em casa pra pagar o cursinho. Thelma estudou dia e noite durante 3 anos até conseguir sua sonhada aprovação em medicina.

VEJA TAMBÉM:  Na broderagem? Vaza suposta foto de Felipe fazendo sexo oral em outro cara

Em uma turma de medicina com mais de 80 alunos, Thelma era a única negra. Recebia R$ 300 de auxílio e passou por dificuldades pra comprar livros e instrumentos pra faculdade e se alimentava em restaurantes populares de R$ 1,00.

Imagem

“Estudei com filhos de políticos, fazendeiros. O kit básico pra eles entrarem na faculdade era ganhar um carro novo e um apartamento. E eu não tinha nem livros”.

Em 2012 Thelma se formou e passou a retribuir o esforço e ajuda dos pais. Sonhava em viajar pra Paris desde criança, e realizou esse sonho junto com sua mãe, em uma viagem.

Imagem

Thelma perdeu seu pai durante a inscrição do BBB pra um câncer de pulmão e, após isso, levou sua mãe pra morar próximo a ela.

Antes do BBB, Thelma trabalhava em plantões em QUATRO hospitais diferentes e destinava uma parte do salário pra sua mãe.

Imagem

Há 11 anos atrás conheceu Denis num ponto de ônibus, na época mecânico, e se casou com ele em 2016. Hoje vivem no apto em cima de sua mãe junto com o doguinho deles.

VEJA TAMBÉM:  Coronavírus: Big Brother Canadá é cancelado e participantes ficam chocados com o anúncio; assista
Imagem

Hoje, além de médica, Thelma é passista da Mocidade Alegre há 15 anos. Já tocou chocalho na bateria e participou da Comissão de Frente da agremiação.

Como muitas mulheres negras de sua geração, ela também passou pelo processo de transição capilar, tendo que cortar todo o cabelo que estava danificado por química pra por fim descobrir a verdadeira beleza e poder do cabelo afro.

Imagem

Em um vídeo antes do BBB, e que não faz parte da Thread mas vale a pena ser citado, Thelma é vista comemorando a diversidade feliz da vida na Parada LGBT de São Paulo:

E como conclui a Thread, hoje a Thelminha tá divando no BBB, próximo da final. Ela chorou quando descobriu que havia ficado no último paredão depois que percebeu que aqui fora existiam pessoas que a amavam. “Eu nem era conhecida lá fora”.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).