Na última quarta-feira (19) a Marvel Comics publicou a HQ “Marvel Voices”, uma compilação de pequenas histórias que retratam diversas vivências marginalizadas e outras questões importantes socialmente, como por exemplo a população LGBTI, buscando dar visibilidade e empoderamento para esses assuntos dentro da revista.

Dentre as histórias, uma delas mostra vários personagens LGBTQs da Marvel reunidos para celebrar uma Parada do Orgulho LGBTQ. Entre os personagens estão Hulkling e Wicanno (já conhecidos aqui no Brasil depois da polêmica envolvendo uma tentativa de censura durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro em 2019). Na história, o casal (por ideia de Hulkling) resolve ir para a parada usando seus uniformes em vez de vestidos com roupas comuns.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Durante a parada alguns personagens carregam cartazes com o rosto de Marsha P. Johnson, uma mulher trans negra que esteve a frente durante a Revolta de Stonewall nos anos 70, fundadora da Frente de Libertação Gay na década de 70 e ícone da revolução LGBTQ. Além de Sylvia Rivera, outra ativista transgênero, latino-americana. Ambas fundadoras da STAR, organização que busca dar visibilidade, oportunidade e auxilio para travestis em situação de rua. Ao fundo, Hulkling afirma a gratidão que a comunidade deve ter pelos heróis que abriram o caminho para eles hoje.

VEJA TAMBÉM:  Cobertura #CCXP: Casal gay de Game Of Thrones, heróis gays Luba e Amanda Sparks na maior feira geek do mundo!

A proposta da história é mostrar que os heróis, com todo seu poder e influência, não podem fugir da representatividade que tem para as pessoas. Juntos, super heróis ou não, eles devem estar unidos para mostrar ao mundo as suas verdades, incentivando muitos outros a aceitarem quem realmente são e viverem com orgulho.

Entre os vários personagens em cena estavam Wiccano, Hulkling, Karma, Nico Minoru, Karolina Dean, Miss América, Shade, Angela, Homem de Gelo, Estrela Polar, Prodígio, Anole, Bling!, Viv, Daken, Demolição e Rictor.

A história foi escrita e desenhada pelo argentino Luciano Vecchio.