Ativistas LGBTs da China estão fazendo um esforço legal para o reconhecimento estatal do casamento entre pessoas do mesmo gênero.

A China continua em processo de revisão de suas leis civis e recebeu quase 200.000 assinaturas pedindo o reconhecimento do casamento homoafetivo, segundo o South China Morning Post. 

Ativistas do LGBTQ realizaram uma conferência de imprensa em agosto anunciando o avanço na opinião popular quanto ao casamento homoafetivo, mas reconhecem que ainda há pouco reconhecimento do esforço do Estado quanto a isso.

“Sabemos que já é a terceira tentativa e provavelmente não incluirão o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas pelo menos queremos que os legisladores ouçam que há uma necessidade entre a comunidade LGBT”, disse Yanzi, diretor da LGBT Rights Advocacy China, com sede em Guangzhou. .

A organização relata que havia estabelecido uma meta de 100.000 assinaturas para entregar a petição ao governo, mas a alcançou em poucos dias a meta chegando a 200.000 pessoas que pedem ao governo pela aprovação do casamento igualitário no país. 

Ling Gu, uma lésbica de Wuhan, administra um negócio imobiliário com sua esposa, permanece solteira aos olhos da lei: “Sem uma certidão de casamento, é como uma missão que nunca podemos cumprir. Um espaço em branco deixado no quebra-cabeça da vida ”, disse ela. 

De qualquer modo, o Estado manteve sua posição até agora.

Zang Tiewei, porta-voz da Comissão de Assuntos Legislativos do principal órgão legislativo da China, disse à imprensa há três meses que a interpretação dos reguladores de que as certidões de casamento só deveriam ser emitidas para casais de homens e mulheres estava de acordo com os costumes e a tradição chinesa, mesmo que nenhum estatuto expressamente o referido casamento deve ser limitado a casais heterossexuais.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).