Na última segunda-feira (9), um vídeo viralizou no twitter ao mostrar um jovem gay sendo perseguido por um homofóbico na saída de um metrô em Nova York.

A vítima foi Adam Eli, o jovem estava saindo de uma estação de metrô quando foi surpreendido por um homem raivoso que gritava para que ele tirasse seu Quipá rosa.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Quipá é uma peça utilizada por judeus, religião a qual Adam faz parte.

Adam Eli

No vídeo, compartilhado por ele mesmo em suas redes sociais, é possível ver o homem gritando frases como: “fique no armário“, “qualquer homem que se deita com outro homem é uma abominação” e ainda “você será assassinado por isso“.

Em seu twitter, Adam Eli detalhou o ocorrido:

Aviso de gatilho: discurso violento. Hoje fui assediado, seguido e ameaçado nas ruas. Alguém ficou chateado por eu estar utilizando um Quipá rosa, carregando uma bolsa e com um remendo do Orgulho LGBT costurado na minha calça”, twittou ele.

VEJA TAMBÉM:  200 estudantes protestam contra escola que tentou proibir relacionamento lésbico

Ainda nas redes sociais, o jovem explica porque decidiu compartilhar o momento bizarro:
Passei os primeiros 18 anos da minha vida ouvindo pessoas me dizerem que eu não podia ser gay e judeu. Eu amo minha identidade judaica e ninguém vai tirar isso de mim“, escreveu.

Essa é uma pequena fração do que a comunidade trans recebe todos os dias. Nesse momento, fui capaz de enfrentar meu agressor, não porque sou corajoso, mas porque sou um homem branco, com privilégios e em um local com um grande tráfego de pessoas. Sabemos o que acontece quando um homem branco ataca uma mulher trans negra“, disse ele ao chamar atenção para uma parcela da comunidade LGBT que ainda tem dificuldades em entender seus próprios privilégios.

Na maioria das vezes, podemos pegar o metrô, correr ou sair em paz. Isso não significa que nossa luta acabou“, twittou.

VEJA TAMBÉM:  Em vídeo vazado, Bolsonaro admite medo de ser condenado por homofobia

Em menos de 24hrs o vídeo já ultrapassava a marca de 1 milhão de visualizações e repercutiu em programas de tv e jornais locais. O homem do vídeo ainda não foi identificado.