O procurador Caio Augusto Limongi Gasparini não esperava ter que responder criminalmente por publicações em seu Facebook.

Uma série de posts absurdamente homofóbicos postados em suas redes sociais – alguns já deletados (mas seguem 2 prints abaixo do processo que tem mais de 40 páginas) – foram revelados e motivaram um processo contra ele por homofobia, que como se sabe, é crime no Brasil, como já acontece com todo tipo de discriminação, como por raça ou etnia por exemplo.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em suas redes sociais, Caio postou um vídeo se afirmando vítima. Logo no início ele lembra ser “brasileiro e pai de família” (sempre tem dessas, né?) e pede para que rezem muita “Ave Maria” por ele. Então começa a contar o que houve:

“Recebi uma representação da Corregedoria da Procuradoria Geral do Estado agora pedindo minha demissão por 2 motivos. Primeiro: procedimento irregular por postagens que prejudicam a imagem da instituição. E segundo: porque critiquei (…) com viés de um naturalista cristão a publicação de um boletim LGBT. Claro que já quiseram me enquadrar na lei de homofobia e por isso pediram minha demissão do serviço público e pediram para o Ministério Público apurar”, diz ele logo no início.

VEJA TAMBÉM:  Casal de repórteres da Globo afirma ter sido vítima de homofobia em hotel da Bahia

Caio então se diz seguro pois suas publicações são públicas e tem seu nome e dados de onde trabalha em seu perfil do Facebook (?).

“Eu me manifestei como pessoa”, diz ele tentando justificar o crime de discriminação e garantindo que em sua atuação como procurador não aplicaria os mesmos princípios: “Usei apenas minha liberdade de pensamento e de crença principalmente”.

Em seguida, o funcionário público afirma fazendo apelo à religião: “Tenho certeza que vou vencer essa porque isso é um absurdo! E o importante disso tudo é o amor a Cristo. Essa luta eu já venci.”

No mesmo vídeo em que se defende do crime de homofobia ele afirma ser contra o casamento gay (por acaso ele foi pedido pra ser contra ou a favor?), ideologia de gênero (essa expressão nem existe Caio, estude!) e adoção de crianças por gays (cuidado Caio, você está dando mais motivo pra ser demitido por justa causa pela homofobia aqui!).

Achou ruim? Pois piora… Em seguida, o “monarquista” – como ele se chama no vídeo – ainda liga gays à pedofilia: “Eu sustento que existe uma ideologia LGBT. Eu sustento que existe uma ideologia pedófila que se aproveita da abertura criada pelo movimento LGBT pra se normalizar”.

Aliás, não apenas neste vídeo ele faz esta associação criminosa de LGBTs a pedofilia, mas também em um dos prints de seu Facebook: “A agenda gay leva à pedofilia!”.

VEJA TAMBÉM:  “Gay não entra no meu carro”, diz motorista de aplicativo a passageiro e vai embora

Ele mesmo afirma que seu facebook é algo banal e está sendo vítima de perseguição, prometendo posts mais leves (até porque pelos antigos você já cometeu crimes Caio, é bom poupar outros pra não complicar ainda mais a sua pena!)

“E além de poder pensar, eu posso falar a respeito”, finaliza ele clamando o direito de ser homofóbico (que não é um direito). Vale lembrar que “falar o que pensa” não implica em “não ser responsabilizado pelo que se propaga”, principalmente quando você afeta diretamente a dignidade e existência de outras pessoas, Caio!

Prints de posts de suas redes sociais – anexos ao processo de mais de 40 páginas – também vazaram na Internet. Veja abaixo alguns e tire suas conclusões se o agora talvez futuro ex-Procurador do Estado de SP é ou não homofóbico:

Aassista abaixo ao vídeo de seu desabafo na íntegra, postado previamente em seu Facebook: