A soldado trans Byun Hee-soo foi encontrada morta dentro de casa na última quarta-feira (3), de acordo com a agência de notícias Yonhap. Ela foi a primeira soldado trans na história da Coreia do Sul.

Byun Hee-soo tinha 23 anos e era ativista dos direitos dos transgêneros, a causa morte não foi divulgada. Há pouco mais de um anos, ela foi expulsa do Exército Militar da Coreia do Sul e entrou com uma ação contra o órgão pedindo reintegração. Em julho, o pedido foi negado.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Soldado trans expulsa do exército da Coreia do Sul é encontrada morta
Soldado trans expulsa do exército da Coreia do Sul é encontrada morta (Foto: Reprodução)

A Coreia do Sul é uma dos países mais conservadores com relação a identidade sexual. A soldado estava recebendo aconselhamentos de um centro de saúde mental em sua terra natal, Gyeonggi, que fica localizada ao norte da capital Seul. Byun não não dava notícias desde o dia 28 de fevereiro, seu conselheiro ficou preocupado e telefonou para os serviços de emergência locais.

VEJA TAMBÉM:  Homem é espancado por dizer a mulheres trans que deveriam ter genitália feminina

A luta de Byun gerou muita repercussão e ocasionou grandes debates sobre a forma como as Forças Armadas trata os soldados transexuais e integrantes da comunidade LGBTQ no país. Ela defendia que gostaria de ser um dos grandes soldados que protegem o país.

Em dezembro, a Comissão Nacional de Direitos Humanos da Coreia saiu em defesa de Byun e declarou que a decisão de não permitir que a jovem continuasse servindo nas Forças Armadas não tinha fundamentos legais.

O governo sul-coreano trata pessoas da comunidade LGBTQIA+ como pessoas com deficiência ou doença mental. O país não reconhece leis que combatam crimes de ódio contra LGBT’s.