Seis advogados LGBTI ficaram feridos quando um homem os atacou com uma substância desconhecida em Moscou. O atentado aconteceu no sábado (11), quando eles estavam saindo de uma reunião da Fourth LGBTIQ+ Family Conference, organizada pelo grupo LGBTIQ Resource.

Um dos feridos foi a ativista Zoya Matisova, que recentemente se juntou ao conselho da “Russian LGBT Network”. O diretor do conselho, Mikhail Tumasov, disse que algumas das vítimas estavam no chão e com pequenas feridas. Ainda não está claro o que foi usado nos ataques, originalmente foi dito que poderia ser algum tipo de “ácido”. Tumasov disse a polícia que cheirava a acetona.

O grupo está tentando descobrir como o invasor sabia sobre a localização da reunião. “Eu acredito que havia uma pessoa – um espião – que fingiu ser uma pessoa LGBTI para obter as informações sobre o evento que não foi divulgado que aconteceria para o público”, disse Tumasov ao Gay Star News.

A comunidade LGBTI na Rússia, em particular, seus ativistas, enfrentam muita violência e repressão por seu trabalho. “Infelizmente, esses incidentes acontecem com muita frequência e geralmente temos que pensar em muitas alternativas, como plano A, plano B etc. (ao organizar os eventos)”, disse Tumasov.

“Este ataque mostra novamente o nível de hipocrisia dos poderes russos por não verem nenhum problema acontecendo com os LGBTI. Isto é o que está acontecendo na Chechênia ou em Moscou. Algumas pessoas prestaram queixa do incidente à polícia e veremos se alguma coisa será feita sobre mais este crime de ódio”

A Russian LGBT Network condenou o ataque como um crime de ódio com base na orientação sexual ou na identidade de gênero. Seu conselho pediu que os criminosos fossem levados à justiça. “Nós também acreditamos que não deve haver lugar para a violência na sociedade”, disseram em um comunicado. “Expressamos o nosso apoio ao LGBT+ Moscow Resource Center e aos organizadores da conferência Fourth Family LGBT +, e apoiamos a decisão de adiar o evento para garantir a segurança dos participantes.’

Os LGBTI russos ainda são muito perseguidos, embora a Rússia em 1993 deixou de declarar a homossexualidade como crime. Mas em 2013, a Rússia introduziu uma lei de propaganda anti-gay, que evita a promoção de “relações sexuais não-tradicionais”.

 

VEJA TAMBÉM:


Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).