Jim Brau é professor do programa de finanças da Universidade Brigham Young (BYU), que pertence à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (LDS), comumente conhecida como igreja Mórmon.

Em fevereiro, o Código de Honra da BYU (que pode gerar até a expulsão dos estudantes que o violam) foi alterado para remover uma seção que proíbe o “comportamento homossexual”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Estudantes LGBT+ comemoraram beijando amigos e parceiros do mesmo sexo em vários lugares do campus, mas alguns dias depois a Universidade divulgou uma declaração dizendo que houve alguma “falta de comunicação”.

Jim Brau, que há muito tempo é aliado de estudantes LGBT+, decidiu enfrentar a tensão e a confusão em torno das mudanças no Código de Honra durante uma palestra. Ele disse que ligou para o escritório do Código de Honra e perguntou diretamente: “Os estudantes gays têm a mesma capacidade de dar as mãos, abraçar, namorar, beijar, fazer o que casais heterossexuais fazem?”

Ele afirmou que o escritório lhe disse: “O Código de Honra não proíbe mais isso”.

VEJA TAMBÉM:  Após polêmica, prefeito de Salvador se pronuncia sobre caso de homofobia em restaurante

Brau disse aos 1.200 alunos de sua turma: “Sei que para alguns de nós, inclusive eu, que temos orado por esse momento há anos, ontem foi um divisor de águas. Para outros, esta é uma luta enorme, e eu entendo que é uma luta massiva.”

“Você fica tipo, ‘O que você está me dizendo? Duas garotas poderão se beijar no campus? Isso é demais! Dois caras podem andar pelo campus de mãos dadas?”

“É o que tenho a dizer – a BYU fez um grande favor a você. Porque quando você chegar ao seu local de trabalho, seu chefe pode ser gay. Seu chefe pode ser trans, você definitivamente terá colegas de trabalho que são gays. Você tem pessoas em todo o lugar que são LGBT+ e não saberá como reagir.”

Ele acrescentou: “Então, se você vê casais do mesmo sexo andando por aí, sendo respeitosos, agindo como casais heterossexuais, isso realmente vai prepará-lo para o mundo real. Isso é uma benção. ”

VEJA TAMBÉM:  Líder de igreja anti-gay é preso por oferecer dinheiro por sexo com garotos no Grindr

Depois que Brau enviou a palestra para o YouTube, como fazia em todas as aulas, o vídeo viralizou na Internet. Foi quando ele começou a receber ameaças.

Em carta aos alunos, ele desabafou: “Depois que um dos vídeos de nossa turma se tornou viral, minha família e eu recebemos ameaças de grupos online de extrema direita. Como resultado, não me sinto mais à vontade postando palestras online”.

Muitos de seus alunos atuais e ex-alunos foram às mídias sociais para dizer que o professor era seu “herói”. Um deles escreveu: Jim Brau foi o único professor com quem me senti à vontade em falar sobre preocupações e ele me deu ótimos conselhos”.

Um porta-voz da BYU disse ao Salt Lake Tribune que Brau estava em contato com a polícia do campus sobre as ameaças.

Desde sua palestra, a BYU voltou atrás na remoção da proibição de “comportamento homossexual” e anunciou que o “comportamento romântico do mesmo sexo” ainda será proibido.

VEJA TAMBÉM:  Aos gritos de “Bolsonaro!”, travesti é morta a facadas no centro de SP

A ex-reitora da Universidade Mórmon revelou ser lésbica esta semana.

Ela disse à ABC4 : “Sinto necessidade de falar porque acho que estou em uma posição única como alguém que teve muita experiência de dentro da organização na BYU e teve muita interação íntima com a administração da BYU para entender algumas das coisas que estão acontecendo lá. “

Ela descreveu o flip-flop da política como um “incêndio nas lixeiras” e acrescentou: “Para gerar esse tipo de esperança, e então esse sentimento de ‘Sim, podemos ser aceitáveis, sim, podemos pertencer a algum lugar’ e, em seguida, apenas rasgue isso ou arranque isso de alguém, é cruel, é violento… Eu acho que é uma coisa horrível de se fazer com alguém.”

Matéria traduzida do site PinkNews.