Um homem gay de Londres alega ter sofrido discriminação após uma motorista do Uber lhe dizer para parar de beijar seu parceiro “porque ela é cristã”.

Finn Davies, 32 anos, conheceu seu parceiro em uma festa no sábado à noite. Os dois decidiram compartilhar uma viagem de Uber, pois moravam no mesmo bairro. Quando os dois começaram a se beijar, a motorista interveio. “Pare com isso, por favor, sou cristã”, disse ela aos dois.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Um silêncio constrangedor se seguiu antes que Davies solicitasse o fim da corrida. “Minutos se passaram e o sentimento se tornou raiva, além de preocupação com o fato de continuar minha jornada por mais 20 minutos, sozinho, o que me deixando cada vez mais desconfortável”, afirma à MetroUK. “Quando saímos, ela não demonstrou remorso ou se sentiu culpada. Eu simplesmente não posso acreditar”.

VEJA TAMBÉM:  20 times da série A já publicaram contra gritos homofóbicos nos Estádios: “É crime!”

Davies notificou o Uber imediatamente e recebeu um reembolso pelo preço da viagem. Ele diz que queria mais. “Uso o Uber todo fim de semana e nunca havia experimentado algo assim antes. O que quero dizer é que foi obviamente uma observação homofóbica, pois ela usou sua religião como arma. Eu só queria um pedido de desculpas. Eu realmente não podia me importar com a viagem de 12 libras”.

A empresa Uber divulgou uma declaração alegando que a empresa lançou uma investigação sobre a motorista. “O que foi descrito é totalmente inaceitável”, disse um porta-voz da empresa. “A Uber tem uma política de tolerância zero para qualquer tipo de discriminação e atualmente estamos investigando esse incidente. Qualquer driver que viole essa política enfrenta a desativação permanente do aplicativo”.

Matéria traduzida do site Queerty. Para ler a versão original em inglês, clique aqui.

VEJA TAMBÉM:  Mulher xinga e cospe em passageiro gay no metrô; assista