A comunidade LGBTQ de Miami está de luto por uma mulher trans de 39 anos chamada Yunieski Carey Herrera, conhecida pela comunidade local, ter sido encontrada morta pela polícia no seu apartamento.

Investigadores identificaram o assassino como sendo seu namorado Ygor Arruda Souza, um homem brasileiro de 27 anos, que confessou estar sob a influência de metanfetamina quando usou um garfo e uma faca para esfaqueá-la em uma alegada crise de ciúmes.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo o jornal de Miami, Local10, Ygor compareceu ao tribunal do condado de Miami-Dade na quarta-feira. Sua namorada, Yunieski Carey Herrera, era uma dançarina de salsa cubana e artista que competiu em concursos de beleza por anos.

Herrera também era conhecida como o modelo, assinando como “Yuni Carey”. Ela também era uma conhecida ativista. Seu amigo, Raul Griffith, disse que ela, a quem ele amava como uma irmã, era uma estrela graciosa amada e admirada na comunidade LGBTQ.

“Além de ser incrivelmente bonita, ela era gentil e boa e se importava tanto com os outros quanto com ela mesma“, disse Griffith, acrescentando “Ela era uma pessoa muito especial para muitas pessoas”.

Mídia local noticiou o assassinato da modelo trans pelo namorado. (Foto: Reprodução / Local 10 News Share)
Mídia local noticiou o assassinato da modelo trans pelo namorado. (Foto: Reprodução / Local 10 News Share)

Arianna Innuritegui-Lint, diretora executiva do Arianna’s Center, uma organização sem fins lucrativos que visa capacitar a comunidade trans do sul da Flórida, disse que Herrera sempre foi “incrível” e “doce”.

VEJA TAMBÉM:  Youtube exclui conta de pastor que defendia "cura gay"

Na quarta-feira, Innuritegui-Lint ainda não conseguia acreditar que Herrera havia se tornado a 36ª mulher transexual a ser assassinada este ano nos Estados Unidos, logo na Semana de Conscientização Trans.

De acordo com o relatório da prisão, o autor do crime é um dançarino brasileiro que amava Herrera de maneira possessiva ao ponto de ter uma tatuagem dela no quadril esquerdo, feita e exibida em um vídeo em seu Facebook no último dia 15 de outubro. “Ele tem meu nome! Meu marido me ama”, escreveu Herrera na postagem.

Modelo trans foi assassinada pelo namorado. (Foto: Instagram / Reprodução)
Modelo trans foi assassinada pelo namorado. (Foto: Instagram / Reprodução)

Ygor ligou para o 911 por volta das 4:25 da manhã de terça-feira. Ele disse aos policiais que a metanfetamina havia arruinado sua vida e que ele havia esfaqueado sua esposa dentro de seu apartamento. A equipe de resgate declarou a morte de Herrera às 4:38 da manhã. Ela tinha 39 anos.

VEJA TAMBÉM:  Dubai - onde ser LGBT ainda é crime - sediará evento LGBT mesmo assim

Durante o interrogatório, o autor do crime disse a um investigador que estava discutindo com Herrera quando ela lhe disse que “ela tinha um homem melhor” do que ele, segundo o relatório de prisão. Ele disse que então foi à cozinha pegar uma faca e um garfo, a empurrou ao chão e a esfaqueou.

Ainda segundo o relatório policial, ele afirmou que, passado o surto, se deu conta do que fez e merece o castigo que enfrentará agora.

Ygor tinha um histórico recente de violência. Registros do tribunal do condado de Miami-Dade mostram que ele foi preso em janeiro por três acusações de agressão. O caso continua aberto e ele tem uma audiência de julgamento em 8 de março.

Ainda que o agressor tenha alegado ciúmes como a razão para o crime, em se tratando de uma mulher trans, não se descarta a hipótese de transfobia internalizada, ou seja, quando o transfóbico simplesmente não aceita estar apaixonado ou ter atração por uma mulher que seja trans, e acaba colocando seu ódio por si, pelo que sente, pra fora desta forma.

VEJA TAMBÉM:  GRINDR: Gay é estrangulado, morto e mergulhado em água sanitária após encontro
Ygor agora encontra-se preso sem possibilidade de fiança aguardando pelo julgamento. (Foto: Reprodução / Local 10 News Share)
Ygor agora encontra-se preso sem possibilidade de fiança aguardando pelo julgamento. (Foto: Reprodução / Local 10 News Share)

Analisando o Instagram de Ygor inclusive, é curioso constatar que apesar dele postar fotos suas constantemente, a namorada nunca aparecia. Por outro lado, ela sempre postava fotos com ele… Não há comprovação, mas dá margem pra acreditar que era como se ele tivesse vergonha ou não a aceitasse plenamente, socialmente, algo muito comum na vivência de muitas mulheres trans, enquanto ela obviamente não tinha o mesmo bloqueio com seu namorado cisgênero.

Registros das Centro de Reabilitações e Correções de Miami-Dade mostram que Ygor Arruda Souza estava sob controle da imigração e em liberdade sob fiança quando o assassinato aconteceu. Agora ele se encontra detido sem fiança no Turner Guilford Knight Correctional Center.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).