Um país tomado pela ignorância e pela intolerância contra LGBTs, no Irã, os LGBTs são punidos com pena de morte. Na legislação iraniana, a atitude criminosa é maquiada com um discurso absurdo de que eles estão “resguardando os valores morais”.

Nesta semana, o repórter Paul Ronzheimer, do jornal alemão Bild, resolveu questionar por meio do Twitter, o ministro das Relações Exteriores da República, Mohammad Javad Zarif, sobre os assassinatos que acontecem no país.

Sem demonstrar nenhum tipo de senso de humanidade, o ministro respondeu: “Nossa sociedade tem princípios morais e vive de acordo com esses princípios. Esses são princípios morais com relação ao comportamento das pessoas em geral. E por isso que a lei é mantida e você deve obedece-la”, afirmou.

Vale ressaltar que, constantemente, a ONU tem se posicionado contra os atos criminosos do Irã, contra os LGBTs. “Essas respostas do regime iraniano estão violando os princípios básicos da ONU. Os membros da ONU devem concordar com a Declaração para serem membros. Criminalizar a homossexualidade viola a Declaração, pura e simplesmente”, disse o embaixador dos EUA na Alemanha, Richard Grenell, que também é representante das Organizações Unidas, em entrevista ao Jerusalém Post.