Um jovem foi vítima de homofobia em um loja de sungas virtual. Rafael Santana, de 31 anos, escolhia suas peças na loja Sedução Moda Íntima quando resolveu tirar uma dúvida pelo WhatsApp.

A loja encaminhou um áudio dizendo que não tinha modelos  “nessa ‘viadagem’ toda”. A atendente estaria conversando com os colegas de trabalho e encaminhou o áudio homofóbico por engano. Após receber a mensagem, o cliente respondeu:

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Eu acho que você precisa de respeito pelos seus clientes, isso não é uma viadagem  é uma atualização, é uma coisa mais moderna. Sexualidade  não está informada por cor, e muito obrigado pelo seu atendimento,  sua mal educada”

Jovem sofre homofobia em loja virtual: "Não tenho nessa 'viadagem' toda" (Foto : Reprodução / Instagram)
Jovem sofre homofobia em loja virtual: “Não tenho nessa ‘viadagem’ toda” (Foto : Reprodução / Instagram)

O jovem decidiu compartilhar o caso em suas redes sociais e ganhou o apoio de diversos seguidores. A sub secção da OAB de Picos também se posicionou à favor do jovem.

VEJA TAMBÉM:  Homofobia: Jovem gay vítima de ataque brutal pede penas maiores para agressores

“Não sabia que ia tomar essa repercussão que está tomando, mas fico muito grato. A gente sabe que vivemos numa sociedade onde, não todos, mas algumas pessoas tem esses pensamentos medievais, sobre preconceito de cor, gênero e raça. “, declarou o rapaz.

A loja admitiu o crime nas redes sociais e publicou um pedido de desculpas. Rafael não acredita no arrependimento do estabelecimento: ” Não senti, em nenhum palavra dita na retração, que ela estivesse arrependida ou disposta a mudar sua atitude. Ela se veio se retratar depois que viu tamanha repercussão sobre o acontecido, pensando na sua imagem e na sua loja. Ela deveria ter mais empatia, respeito e educação com seus clientes”

A comissão de Estágio e Exame da Ordem da subseção da OAB de Picos postou uma nota de repúdio e se colocou a disposição do rapaz.

VEJA TAMBÉM:  Clínica em Brasília cobra R$30.000 para “tratar” homossexualidade

“Atitudes nefastas, como dessa senhora, demonstram a persistência truculência do ideário homofóbico e o quanto ainda se precisa avançar para que todas e todos possam exercer seu direito com respeito e igualdade. A homofobia direita e indiretamente não só atinge a população LGBTQIA+, mas também outras pessoas que de alguma maneira se comportam fora dos padrões sociais”.