Denunciado pelo Ministério Público em 2019 por crime de homofobia contra uma promotora, o advogado Celso Vendramini encaminhou à Justiça uma série de fotos de gays praticando sexo em locais públicos para se defender do processo ao invés de documentos, relatórios ou provas que reforçassem a argumentação em sua defesa.

Advogado acusado de homofobia
Foto: Reprodução/Redes Sociais

De acordo com a Istoé, durante um julgamento de dois policiais militares acusados de manter suspeitos de crimes, Vendramini disse ser fã do presidente russo Vladimir Putin e que “na Rússia não tem passeada gay. Vai ser viado lá na Rússia para ver o que acontece”. As frases apresentadas no julgamento do processo não tinham quaisquer relações com o caso em si.

A promotora Cláudia Ferreira Mac Dowell que é assumidamente lésbica, teve que presenciar o foco da sessão ser desviado para sua vida pessoal, onde até em certos momentos, o advogado questionou a aliança em que a advogada usava. O advogado justificou ter apresentado as fotos do pornô em sua defesa dizendo que apenas expôs suas convicções religiosas e valores morais (homofobia).