Na Inglaterra, no Condado de Surrey, duas mulheres foram vítimas de um ataque homofóbico promovido por uma gangue de 10 adolescentes. As autoridades estão tratando o ataque como um crime de ódio e procuram por testemunhas.

Segundo informou o portal Pink News, a polícia afirmou que a agressão ocorreu perto de um playground em Farnham Park. A polícia afirmou que as duas mulheres foram agredidas e abusadas verbalmente por “um grupo de cerca de 10 indivíduos, todos do sexo masculino e com idades entre 11 e 14 anos”, e que eram “de etnia do sul da Ásia”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O policial civil, Mike Millward, da equipe de polícia do bairro de Waverley, disse em comunicado: “Este foi um ataque não provocado a duas mulheres em um local público, simplesmente por causa de sua sexualidade. Não toleraremos esse tipo de crime em Surrey e pedimos que qualquer pessoa que esteve na área e viu algo se apresente”.

VEJA TAMBÉM:  Passageiros de ônibus se unem pra defender vítima de senhora homofóbica; assista

Stephen Ireland, fundador e co-presidente da Surrey’s Pride (Parada do Orgulho), lamentou pelas vítimas e condenou profundamente o ataque. “Estou ouvindo sobre o terrível ataque a membros de nossa comunidade apenas por causa de sua sexualidade, estou furioso!”, escreveu no Twitter.

Não foi informado pela reportagem original qual a orientação sexual das vítimas (mulheres bissexuais ou lésbicas / trans ou cis), que preferiram manter a identidade no anonimato.

“Para as vítimas, lamento, sinto muito pelo fato de este grupo de 10 jovens ter atacado vocês… eu vou dizer isso e realmente não me importo com o que alguém pense agora, mas [minha] mensagem para aqueles que as atacaram: vocês são indivíduos violentos, horríveis e repugnantes e, quando forem pegos, espero que sejam punidos pela lei e também saibam do dano que causaram!”

O “The Surrey Heath LibDems” respondeu ao tweet de Ireland dizendo: “Enviando todo o nosso apoio às vítimas deste ataque sem sentido à comunidade LGBTQ em geral.”

VEJA TAMBÉM:  BBB: Paula diz que gays não são normais e não deveriam beijar em público

O segurança oficial da Surrey’s Pride, Vicky Cole, acrescentou: “Temos medo de nossa segurança todos os dias e isso mostra por que temos esse medo”.

No ano passado, dados mostraram que os crimes de ódio relacionados a homofobia e a transfobia mais do que duplicaram na Inglaterra e no País de Gales entre 2014 e 2018.

Em 2018, quase metade dos crimes de ódio cometidos contra pessoas trans foram violentos, com 46% sendo agressão e danos corporais graves, e 40% em crimes de ódio homofóbicos.