A mãe de Garrard Conley, o autor do livro Boy Erased (e que deu origem ao filme, veja o trailer aqui), disse que submeter seu filho à pseudo-terapia de conversão conhecida popularmente como ‘cura gay’ foi o “maior erro de sua vida”.

Boy Erased é um livro e filme baseados na história verídica do sobrevivente da terapia de conversão Garrard Conley, que, quando adolescente, foi enviado a um campo de conversão cristão de ‘cura gay’ para “tratá-lo” de sua homossexualidade. No longa-metragem, a mãe é interpretada pela atriz Nicole Kidman.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Conley escreveu sobre suas experiências angustiantes em um livro de memórias de 2016 – que serviu como fonte de material para o filme de 2018 com o mesmo nome, escrito por Joel Edgerton.

Nicole Kidman interpreta Martha Conley em filme Boy Erased, sobre cura gay. (Foto: Divulgação / Boy Erased)
Nicole Kidman interpreta Martha Conley em filme Boy Erased, sobre cura gay. (Foto: Divulgação / Boy Erased)

Agora, ao Miami Herald, a mãe de Conley, Martha, escreveu sobre a experiência traumatizante de seu filho e disse que mandá-lo para terapia de conversão foi o “maior erro de sua vida”.

VEJA TAMBÉM:  Vladmir Putin diz que, enquanto ele for presidente da Rússia, não haverá casamento gay no país

“Meu marido e eu pressionamos Garrard a mudar sua orientação sexual. Na época, não sabíamos sobre o consenso científico de que nenhuma terapia pode mudar uma criança de gay para hetero. Sabendo agora o que eu não sabia na época, e que muitos jovens que passam pela terapia de conversão não sobrevivem a isso, agradeço todos os dias por meu filho estar vivo. Nenhuma decisão que eu já tomei me assombrará mais”, disse ela.

No mês passado, juízes nomeados por Trump reverteram uma proibição vital da terapia de conversão na Flórida, classificando-a de “inconstitucional”.

O 11º Tribunal de Recursos do Circuito dos Estados Unidos ficou do lado de dois terapeutas que tentaram argumentar que as proibições na cidade de Boca Raton e no Condado de Palm Beach violaram seus direitos de liberdade de expressão.

VEJA TAMBÉM:  Jornal conservador da Polônia distribui adesivos “anti-LGBT” grátis
Mãe e filho antigamente e hoje: homofobia e cura gay superada. (Foto: Reprodução)
Mãe e filho antigamente e hoje: homofobia e cura gay superada. (Foto: Reprodução)

Martha escreveu: “A decisão do mês passado foi uma farsa e rezo para que seja corrigida. Até agora, todos os outros tribunais federais que ouviram uma contestação têm mantido essas leis”.

“Mas não importa o que aconteça nos tribunais, aqueles de nós com experiência em primeira mão de como a terapia de conversão quebra crianças e destrói famílias devem se manifestar.”

Ela acrescentou: “Estou extremamente orgulhosa de Garrard por compartilhar sua história. Por causa dele, muitos outros pais não cometerão o mesmo erro.

“Mas nada pode apagar a dor de saber que meu marido e eu causamos dano à pessoa que amamos mais do que qualquer pessoa nesta Terra: nosso próprio filho. É uma dor que eu não desejaria a ninguém, e é por isso que estou empenhado em fazer tudo o que puder para garantir que todo jovem LGBT + saiba que nasceu perfeito.”, concluiu ela.

VEJA TAMBÉM:  Internautas que chamaram gays de “aberração” e “desgraça” terão que pagar R$ 20 mil em indenização

Assista abaixo a um vídeo do Põe Na Roda e conheça a verdade sobre os chamados “centros de ‘cura gay'”, vulgo tortura:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).