Um casal de americanos formada por Gary Wiggins e sua esposa Meaghan Wiggins, que costumava promover centros de “cura-gay” (vulgo tortura) no Alabama, nos Estados Unidos, acaba de ser preso sob acusação de tráfico humano, de acordo com a estação de notícias KXAN.

Um ano atrás, oito garotos com idades entre 10 e 17 anos, foram retirados de suas casas e colocados a força – com aval de suas cruéis famílias – em um centro de “cura-gay” da dupla em Pineville. Lá, eram forçados a realizar exercícios físicos e mentais, confinados em solitárias e deixados sem comida por dias, tudo justificado de maneira absurda como tática para tentar converter a sexualidade dos rapazes.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
VEJA TAMBÉM:  Homofobia: Jovem gay é espancado por 4 homens e tem rosto desfigurado no Ceará

“Ele tirava o cinto e ameaçava nos bater”, disse Lucas Greenfield, uma das vítimas, que havia saído do armário para a mãe em 2017. “Vou tirar o demônio de você e torná-lo hétero”, dizia Gary aos garotos segundo o relato de Lucas à polícia.

Durante as sessões, Gary ainda perguntava sadicamente aos garotos: “Você é uma bicha, filho?”.

Sob a licença de uma fundação religiosa, o centro de “cura-gay” não precisava legalmente de inspeção para funcionar e a dificuldade da polícia em conseguir provar as sessões de tortura foram imensas durante as investigações.

Ambos agora estão indiciados e responderão na justiça por tráfico humano, um nome bem mais adequado a este absurdo chamado “cura-gay”, que nunca cura, e simplesmente tortura pessoas, as fazendo se sentirem erradas simplesmente em serem quem são.

VEJA TAMBÉM:  Após atos homofóbicos e racistas de torcedores, Grêmio lança comunicado: "clube de todos"

Conheça no vídeo abaixo a história de dois jovens que participaram de centros do tipo no Brasil:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).