A 1ª instância da justiça de Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo, condenou o Carrefour a pagar R$ 3 mil reais de indenização a um casal gay por danos morais. Mas em um recurso, eles acabaram recebendo mais da rede de hipermercados.

A decisão, que tramitava em segredo de Justiça, foi revelada pelo portal jurídico Conjur. Segundo o processo, o casal – que não teve a identidade revelada – foi abordado e hostilizado por seguranças de uma unidade da rede com palavrões e chutes em seu veículo durante as eleições de 2016.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A violência injustificável dos seguranças se deu simplesmente porque o casal, que havia feito compras no local, havia aproveitado pra deixar o carro no estacionamento do mercado enquanto ia votar em uma escola ali perto.

Sem modos, os seguranças foram reclamar que o carro estava parado no estacionamento do Carrefour enquanto eles estavam fora do estabelecimento. Após xingamentos homofóbicos, chutes no carro e agressões por parte dos seguranças, o casal tentou sair do estacionamento, o que os seguranças não permitiram fechando a cancela.

VEJA TAMBÉM:  Na contra-mão de países desenvolvidos, Botswana (África) torna crime ser gay

Parece que educação e humanidade não são características que o Carrefour exige de seus funcionários e terceirizados, né?

Ainda segundo o portal Conjur, o relator do recurso, desembargador Andrade Neto, entendeu que as vítimas foram “abordadas de forma hostil por dois seguranças no local”.

Carrefour foi alvo de protestos antirracismo após morte de João Alberto. (Foto: Reprodução / G1)
Carrefour foi alvo de protestos antirracismo após morte de João Alberto. (Foto: Reprodução / G1)

Em seu voto, o magistrado também apontou que diante das “graves e injustificadas agressões promovidas pelos prepostos da requerida”, o valor fixado na decisão alvo de recurso foi realmente baixo.

“Assim, sopesadas todas essas circunstâncias, reputo adequado elevar a indenização devida a cada um dos autores para o valor de R$ 10 mil, quantia que se situa em patamar justo e razoável frente ao abalo moral sofrido, traduzindo compensação pelo dissabor experimentado”, diz trecho do voto.

Apesar de também terem reclamado de homofobia por parte dos seguranças, o juiz disse que isso não teve como ficar provado.

VEJA TAMBÉM:  Promoter acusa Adriano Imperador de agredí-lo dizendo: "Não tem Maria da Penha pra viado!"

Em nota, o Carrefour afirmou que acompanha o processo e reforça repúdio a qualquer tipo de violência e discriminação em suas unidades. Mais uma vez, né?

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).