Uma atriz e professora de história da arte que é transgênero que trabalhou em gravações de atrações do parque temático “O Mundo Mágico de Harry Potter”, em Orlando, na Flórida, lançou na Internet um vídeo rescindindo seu contrato e exigindo que suas imagens sejam removidas das atrações do parque, afinal, ela “expõe as falhas na ideologia de gênero binárias” que JK Rowling apóia.

“Pessoas como JK Rowling sentem que a feminilidade é uma categoria somente delas, que a feminilidade, biologicamente, é apenas um tom de rosa”, disse Ela Xora.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A atriz fez o teste para o papel de Cormac McLaggen para filmes da saga Harry Potter em 2007. Embora não tenha passado, ela recebeu uma ligação para um outro trabalho: interpretar uma jogadora de quadribol em vídeos de atrações do parque “O Mundo Mágico de Harry Potter”.

Os três dias de filmagens passaram rapidamente e, ao longo dos anos, ela pensou pouco sobre o fato de seu rosto estar estampado em um parque temático do Harry Potter. Isso mudou quando Rowling começou a expressar pontos de vista considerados transfóbicos, que colocavam pessoas como Ela Xora em risco, por fomentar visões que ameaçam a vida, respeito e dignididade de pessoas trans.

VEJA TAMBÉM:  Tunisia está realizando até exame anal forçado pra prender quem é gay no país

Foi assim que Ela Xora, assim como muitas personalidades famosas e anônimas, decidiu também postar um vídeo se posicionando sobre o assunto e deixando claro seu repúdio.

“Nos últimos dois anos, eu e muitos amigos que são como eu, quase nos tornamos reclusos porque temos medo de sair em público”, diz ela logo no início do vídeo. E continua: “Eu apenas pensei, olha, eu não preciso disso. Já tenho perseguição suficiente de membros da minha própria família e também da religião em que nasci.”

Então, Xora – que também estuda História da Arte Trans e Intersex sendo a primeira mulher trans a palestrar no Royal College of Art, em Londres – faz em seu vídeo uma perspectiva histórica de pessoas trans na humanidade, lembrando que sempre existiram, ainda que invisibilizadas por muitas culturas e épocas.

“A ideia de binaridade imutável não é verdadeira e sabe-se disso há milhares de anos. Já no século IV aC, Hipócrates registrou medicamente uma ‘escala de gênero cinza’ que ele ordenou em uma ‘hierarquia de gênero’ na obra seminal O Corpus Hipócrates”, explica a estudiosa que, ao contrário de JK Rowling, entende do assunto não apenas por sua vivência, como estudo.

VEJA TAMBÉM:  Paquistão celebra sua 2ª Parada do Orgulho Trans em 4 dias de festa

E continua: “Hipócrates foi muito sincero sobre o fato de não haver apenas duas caixas em termos de [gênero]. Ele expôs um espectro de gênero que ele ordenou em três categorias de homem e três categorias de mulher ”, explicou Xora. “Ele claramente define as categorias intermediárias como transgêneros, ou intersex, e chama pessoas como eu nessas categorias”.

Sabe-se inclusive que a própria palavra “andrógino”, do grego antigo “andrógunos”, combina termos masculinos e femininos, com o entendimento implícito de que é possível que os seres humanos existam em um estado de gênero não binário muito antes do que se pensa hoje.

“Séculos depois”, diz Xora ainda no vídeo, “o filósofo e médico romano Galen estava discutindo as idéias de ‘turnos transgêneros’ e um ‘terceiro sexo’ de pessoas intersexuais. Embora ele e seus colegas tenham conceituado isso em termos mitológicos, é claro que entenderam ali que sexo e gênero podem ser fluidos e que existem em um espectro”.

Ela então compara suas descobertas históricas aos comentários da autora: “A ideia de Rowling de sexo biológico é algo que é uma caixa preta e uma caixa branca, e isso é imutável”, disse Xora, acrescentando que, para muitos que críticos de teorias de gênero, “qualquer pessoa que esteja tentando se desviar dessas caixas binárias tradicionais também está querendo chamar a atenção ou está mentindo e é um pervertido”. “E isso é uma mentira tão grande”, diz ela.

VEJA TAMBÉM:  Polícia de NY ataca manifestantes durante marcha do Orgulho LGBT+

“Não podemos continuar ignorando a história. Não podemos continuar ignorando a biologia. Não podemos continuar ignorando a vida de pessoas como eu. Rowling, faça uma pesquisa e estude o assunto!”, sugere a atriz e professora.

Mais adiante no vídeo, ela rasga o contrato da época em que gravou cenas para o parque temático de Harry Potter e pede: “Por favor, pare de apoiar as pessoas que estão tornando nossas vidas muito mais difíceis do que precisam. Eles estão colocando em risco nossas vidas “, acrescenta ela. “Você não deve nos dar mal, deve estar nos ouvindo. E você deve estar aceitando quem somos.

Assista ao vídeo na íntegra abaixo:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).