Quatro homens relataram ao Metrópoles que teriam sofrido assédio dentro da Casa Dom Inácio de Loyola, centro religioso de João de Deus em Abadiânia, interior de Goiás. As vítimas apontam Sebastião Lima, conhecido como Tiãozinho, como autor das violações sexuais.

Testemunhas confirmam os assédios e apontam que eles ocorreram entre os anos de 1990 e 2010.

Homens acusam assistente de João de Deus de abuso sexual (Foto: Reprodução / Metrópoles)
Homens acusam assistente de João de Deus de abuso sexual (Foto: Reprodução / Metrópoles)

“Ele me fez abrir a calça, subir na maca e colocou um lençol sobre meu corpo. Tirou meu pênis e começou a tentar me masturbar. E, enquanto isso, ele rezava. Rezava e dizia que ia me curar.”, contou uma das vítimas.

As quatro vítimas que a acusam ao assistente de João de Deus não se conhecem, eles são de diferentes regiões do país. Apenas um deles aceitou se identificar. A reportagem levou 5 meses de investigações.

Três das quatro vítimas que denunciaram os abusos são soropositivas e procuram a Casa para “se curar” do vírus. Mas Tiãozinho dizia que “já que o vírus entrou pelo órgão, o tratamento deveria ser feito pelo órgão”.

‘Vou te ajudar com o prosseguimento do seu tratamento’. Dentro da sala, ele chegou perto de mim e, enquanto falava sobre o tratamento, pegou na minha virilha e pediu para ver. Para ver o que tinha lá dentro. Ele então colocou a mão dentro da calça. Eu me afastei, perguntei o que aquilo tinha a ver com o tratamento. Ele disse que eu precisava daquilo.”, disse o agente de viagens Felipe Dias.

O outro lado

Tiãozinho nega as acusações, e afirma que, as acusações contra ele e contra João de Deus se tratam de “oportunismo”.