O advogado Celso Vendramini, ex-PM da Rota foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo. Ele atacou uma promotora lésbica durante uma sessão do Tribunal do Júri em 2019: “Vai ser gay lá na Rússia pra ver o que acontece”.

O ataque aconteceu durante o júri popular, onde o denunciado defendia dois policiais militares acusados de executar dois suspeitos de rum roubo. O defensor teria realizado comentários preconceituosos e sem nenhuma relação com o caso julgado no momento.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Advogado é denunciado pelo MP-SP após LGBTFobia contra promotora (Foto: Reprodução/Facebook)
Advogado é denunciado pelo MP-SP após LGBTFobia contra promotora (Foto: Reprodução/Facebook)

A denúncia do MP possui sete páginas e o Promotor do Ministério Público de São Paulo Gilberto Ramos de Oliveira Júnior destacou os crimes de “iscriminação e preconceito de raça, além de injúria à Cláudia Ferreira Mac Dowell, promotora de Justiça (que é lésbica), ofendendo-lhe a dignidade e o decoro, mediante a utilização de elementos de raça, compreendidos em sua dimensão social (discriminação homofóbica e transfóbica)”.

VEJA TAMBÉM:  URGENTE! Bolsonaro quer derrubar criminalização da LGBTfobia no Brasil

A acusação destaca menções à comunidade LGBTQIA+ onde o advogado usa a Rússia como exemplo de “comunismo” a ser seguido pela esquerda no Brasil. “O pessoal fala muito da Rússia… eu sô fã do Putin. Sô fã do Putin… lá não tem boi não. Lá não tem passeata gay Rússia não. E os comunistas adoram… né… os comunistas… a-do-ram… Vai sê gay lá na Rússia pá vê o que acontece… o Putin. Eu acho que a democracia da Rússia é a democracia que eu gosto”

A reportagem da Ponte entrou em contato com o advogado acusado, mas ele negou as acusações e afirmou que é vítima de perseguição política. Apesar da negativa, Vendramini afirmou que  o tribunal do júri é um plenário que garante às partes a livre expressão do pensamento.

“O que aconteceu naquele julgamento foi que expus minha forma de pensar sobre determinados assuntos.”, concluiu o acusado.

VEJA TAMBÉM:  Citigroup, Banco Alemão e Goldman Sachs também anunciam boicote a Brunei