Chiara Foglietta e sua esposa Micaela Ghisleni, foram impedidas de registrar o filho, Niccolo Pietro, na justiça italiana, com o nome das duas mães no documento.

Autoridades da cidade de Turim, no norte da Itália, se recusaram a registrar o bebê do casal de duas mães. A justificativa das autoridades locais é de que a lei italiana só permite o registro de bebês de casais heterossexuais.

[xyz-ihs snippet=”VEJA-TB”]
[embedyt]https://www.youtube.com/watch?v=THzRytWcHHU[/embedyt]
[embedyt]https://www.youtube.com/watch?v=14vrHnVUEss[/embedyt]


Revoltada com o tratamento, Chiara fez um post no Facebook que já conta com milhares de curtidas e compartilhamentos. “Para registrar meu filho no cartório, só contando uma mentira! Toda criança tem o direito de conhecer sua própria história. Ele veio ao mundo por vontade minha e de Micaela, mas para registrá-lo no cartório, tenho que ignorar uma das duas maternidades!”.

As mães haviam realizado o procedimento de inseminação artificial na Dinamarca, onde é possível pela lei que casais homossexuais concebam e registrem seus filhos desta forma.

A lei italiana entretanto, é atrasada neste sentido, e como lembrou a prefeita de Turim, Chiara Appendino, “atualmente não se prevê o reconhecimento de filhos e filhas de casais homossexuais’. Entretanto, a prefeita afirmou que pessoalmente é a favor do registro de Niccolo.

As duas agora lutam por uma excessão ou brecha na lei que premita a casais homoafetivos italianos, registrarem seus filhos com os nomes dos dois pais ou duas mães na documentação, como já acontece e é possível em muitos países do mundo.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).