Karol Eller está entre o pequeno grupo de LGBTs que apoia o presidente Jair Bolsonaro e não se importa dele ter dito absurdos homofóbicos em sua vida como “Filho gay é falta de porrada”, “Se eu ver dois homossexuais de mãos dadas na rua vou bater”, “Eu não aceitaria doação de sangue de um homossexual”, “Vizinho gay desvaloriza o imóvel” ou ainda “Gay ninguém gosta, só suporta”, dentre outros absurdos já ditos pelo atual presidente, sempre fazendo pouco da LGBTfobia no país que mais mata LGBTs no mundo.

O que a youtuber mineira de 32 anos não esperava é ser vítima de um ataque homofóbico, noticiado originalmente pelo jornal de Brasília. É isso mesmo, uma apoiadora e cabo eleitoral de um sujeito assumidamente homofóbico sofreu homofobia.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Image
Karol já postou vídeos no Youtube onde defendeu Bolsonaro e fez pouco da violência LGBTfóbica.

Morando há uma semana no Rio de Janeiro, Karol foi brutalmente atacada em um quiosque na Barra da Tijuca, onde estava acompanhada de sua namorada no último domingo (15).

VEJA TAMBÉM:  Dustin Lance Black responde comentários homofóbicos sobre paternidade com Tom Daley

Um homofóbico ao avistá-las se aproximou e começou a provocar com xingamentos e questões como “Como você consegue namorar um mulherão desses, hein?”.

Não demorou para as ofensas verbais se tornarem agressões físicas. Karol foi atacada a socos e pontapés, e socorrida apenas pela namorada quando já estava desacordada e o agressor já havia fugido. As duas foram se arrastando até um quartel do Corpo de Bombeiros pedir ajuda.

Karol: apoiadora de presidente assumidamente homofóbico sofreu homofobia.

Até o momento o agressor ainda não foi identificado pela polícia que investiga o caso. Mas vale lembrar que, graças à criminalização da LGBTfobia no Brasil, aprovada pelo STF que equiparou ao crime inafiançável de racismo – uma medida que o presidente Jair Bolsonaro sempre se disse contra – Karol poderá processar seus agressores com agravante de crime de ódio, o que piora a condenação.

Com ferimentos leves e médios, felizmente Karol já se encontra em casa e em repouso, se recuperando da violência LGBTfóbica sofrida.

VEJA TAMBÉM:  “Alguns atletas não apertam mais a minha mão”, diz lutador Jack Woolley após revelar ser bissexual

Melhoras e muita saúde e recuperação à Karol! E que fique a lição: apoiar um homofóbico não te impede de sofrer homofobia… pelo contrário, só alimenta a mesma homofobia que um dia também te atinge. E o presidente, Karol, nessa hora estará pouco se importando com a violência homofóbica que você sofreu, como sempre esteve.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).