Não é fácil ser LGBT na Rússia.
Um rapaz russo, assumidamente gay, que participou de um vídeo no Youtube onde crianças fizeram perguntas a ele sobre sua sexualidade, está sendo forçado a se esconder depois que autoridades abriram um processo criminal contra ele.

Maxim Pankratov participou de uma série de vídeos chamado “Real Talk” onde recebeu questionamentos de crianças entre 6 e 13 anos de idade sobre como é ser um homem gay.

De início, o vídeo foi muito bem recebido pelo público, mas, acabou sendo removido do Youtube devido à lei de “propaganda gay” em vigor na Rússia.

Em entrevista à CNN, o jovem de apenas 22 anos, conta que não havia nada demais no vídeo e que agora corre o risco de ser preso:

Foi uma conversa normal sobre a minha vida e agora querem me prender por isso (..) Não havia discussão sobre sexo. Era sobre como é ser um homem gay na Rússia, como eu vivo. Queríamos mostrar à sociedade que você poder ser tolerante“, disse ele.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Mesmo com nenhum teor sexual, o material foi considerado pelas autoridades como “inapropriada” e “abusiva”. No início de novembro, o Comitê de Investigação do país (principal órgão policial da Rússia) abriu um processo criminal contra Maxim, onde alegam que o vídeo representava “atos violentos de natureza sexual”.

Com a grande repercussão do caso no país, o jovem ainda conta que tem recebido ameaças através de suas redes sociais e permanecido em um local não revelado.

A lei de “propaganda gay” da Rússia torna ilegal retratar relação entre pessoas do mesmo sexo como socialmente aceitáveis. Essa lei tem colocado diversas pessoas da comunidade LGBT da Rússia de volta ao armário e com medo de se relacionar no país.

A Human Rights Watch, uma ONG que trabalha com Direitos Humanos nos Estados Unidos, tem definido esse caso como um “exemplo perturbador” de como a lei tem sido usada como uma ferramente de discriminação e intimidação.

A perniciosidade da lei da ‘propaganda gay’ aparentemente desconhece fronteiras. Uma acusação criminal de agressão sexual a crianças por um vídeo do YouTube que não continha conteúdo sexual é tão absurdo quanto assustador”, disse Kyle Knight, pesquisador sênior de direitos LGBT + da Human Rights Watch.

“A lei da ‘propaganda gay’ criou um clima de medo para as pessoas LGBT na Rússia e um clima de impunidade para seus agressores”, acrescentou Kyle Knight.

(Matéria traduzida e adaptada do site britânico PinkNews)